Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da BilbboLogo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do livro digital de ficção científica e terror.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da BilbboLogo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do livro digital de ficção científica e terror.

Cyberpunk
Drama
Steampunk
Suspense
Aventura
Sci-Fi
Crônica
Fantasia
Afrofuturismo

Confira as leituras de

Maio de 2021

A vida Eterna

Clássico
Machado de Assis

Fabrício Corradini

Tradução
Baixar
Download indisponível
Sobre

Eternamente aterrorizante

O cochilo de um amigo pode ser o início da maior aventura da sua vida, aos setenta anos!

Baixe os eBooks
Conteúdo

Muito mais conteúdo sobre o Planeta Roxo de

Maio de 2021

Aqui na Bilbbo, o hub da literatura nacional.

#piadaruim
#autoresnacionais
#clubedolivro
#editorasindependentes
#ficçãocientífica
#terror
Leitura gratuita

Já leu tudo? Continue lendo nossas publicações gratuitas.

Todo mês disponibilizamos quatro contos gratuitos de gêneros variados. Comece lendo os deste mês.

Para ler agora
ver mais
Minis para ler agora
ver mais
Lançamento
Pique-esconde
Fantasia

I.

-Feche os olhos, conte até cinquenta!

A garotinha saiu correndo, enquanto o primo apreçou a contagem:

-T-um, t-dois, t-três, t-quatro...

II.

A menina escalou o pé de jaca. Sua estatura de criança encaixou-se perfeitamente entre num vão formado por duas das frutas enormes aguardando colheita.

Olhou pra cima buscando pontos com folhas que colaborassem para um bom esconderijo.

III.

Foi quando viu o garotinho de olhos dourados e cabelo de fogo encarando-a.

-Tenho um lugar melhor!

Ele estendeu a mão.

IV.

Ela retribuiu o gesto. Folhas da árvore se desprenderam dos caules e rodopiaram ao redor dos dois.

Lá embaixo o primo a procurava. A mãe, as tias e os avós também vieram para ajudar. Mais tarde a polícia chegou.

V.

Mas ela sempre fora muito boa no pique-esconde.

O Curupira também.

Madrugada
Terror

I.

Está bastante escuro. Minha pupila se esforça para assimilar alguma luz, mas nada acontece. Meu coração bate acelerado, e, por mais que precise, não posso respirar alto. Preciso ouvir todo e qualquer som.

II.

Não escuto nem mesmo o vento que uiva pelas janelas do quarto, e, aos poucos, a visão começa a voltar, ainda que fragmentada, é o suficiente para que eu solte a respiração.

É então que eu o vejo, ao pé da cama. Ele sorri pra mim, um riso alegre, carregado de prazer e malícia. Não consigo me mexer, e, enquanto ele ri, penso. Sou a piada que o diverte?

III.

Lentamente, tomo controle do meu corpo. Recuo até a cabeceira. Fixo nele meu olhar, mas, como em um piscar de olhos que nunca aconteceu, ele desaparece. Um frio na espinha me consome, imaginando onde foi. Revisto todos os cantos do quarto e penso.

IV.

Será que volta? Não. O que volta é a sensatez, recordando meu problema. Me cubro sem fechar os olhos. Já passam das três, e agora, finalmente, meus batimentos voltam a baixar.

V.

Questiono meu problema por mais algum tempo. Rezo e logo adormeço. Não acordo mais, apenas ao amanhecer.

Mas pela noite, eu sou a piada que o diverte!

O Autor
Drama

I.

Esta escrita e essas linhas, não são minhas! Teria eu tão mau gosto a ponto de copiar o enredo de um outro rosto? Seria assim tão descarado a ponto de usar um roteiro que já fora apresentado?

II.

Não! Não são mesmo minhas estas palavras confusas e ato criativo redundante, não sou assim tão categórico e simplório, para escrever algo tão sem alma e sem coração. No entanto há que se admitir que vendeu um milhão de cópias e talvez venda muito mais, mesmo sendo assim uma história tão fugaz e previsível.

III.

Seria o paladar do leitor tão pouco aprazível a ponto de fazer render este ensaio de livro!? No entanto há que se admitir que os jornais anunciam ser o próximo best seller.

IV.

Não gosto disso! Não é meu livro, mas por via das dúvidas deixarei em meu pseudônimo.

V.