Pique-esconde

-Feche os olhos, conte até cinquenta!

A garotinha saiu correndo, enquanto o primo apreçou a contagem:

-T-um, t-dois, t-três, t-quatro...

A menina escalou o pé de jaca. Sua estatura de criança encaixou-se perfeitamente entre num vão formado por duas das frutas enormes aguardando colheita.

Olhou pra cima buscando pontos com folhas que colaborassem para um bom esconderijo.

Foi quando viu o garotinho de olhos dourados e cabelo de fogo encarando-a.

-Tenho um lugar melhor!

Ele estendeu a mão.

Ela retribuiu o gesto. Folhas da árvore se desprenderam dos caules e rodopiaram ao redor dos dois.

Lá embaixo o primo a procurava. A mãe, as tias e os avós também vieram para ajudar. Mais tarde a polícia chegou.

Mas ela sempre fora muito boa no pique-esconde.

O Curupira também.