Humanidade

"Abri os olhos e notei um lugar estranho, um mundo totalmente diferente. O ar era rarefeito que mal consegui respirar, e o sol no alto do céu já não era tão quente.

Por falar em quente, os humanos que ali caminhavam nem pareciam gente. Na verdade, nem pareciam estar vivos. Sentimentos, ações, pensamentos... Eram feitos por aplicativos.

O ser humano se tornou finalmente um robô. Sem vida. Sem alma. Um objeto material. A tristeza era presente em cada canto de esquina e a alegria era uma droga fatal.

O caminho por onde sigo começa a ficar escuro e desperto do meu sono. Não sei se isso foi um sonho ou se isso será o nosso futuro."