Guerra

Era o verão mais quente dos últimos anos, o calor extenuante deixava o clima de combate ainda mais tenso.

Só alguns de nós haviam sobrevivido até ali. Já estava cansado, deveria ter corrido quilômetros desde o início, mas a adrenalina me mantinha em pé.

Tive um golpe de sorte peguei um deles desprevenido. Um tiro certeiro pelas costas. O ar de seus pulmões saiu pela boca, como a alma fugindo do corpo.

Quando escutei um grito. Carlos havia caído, era um dos nossos melhores, não poderia deixar ele ser morto. Pelo canto do olho vi quando o inimigo avistou ele.

Mesmo sem forças corri e saltei me tornando o alvo. Antes de cair no chão senti o forte impacto na barriga.

Um sinal estridente fez todos pararem, e a voz comandou a todos.

- Pessoal, a aula acabou, amanhã terminamos a queimada.