Equilíbrio

Equilibrar pedras é minha atividade preferida.

Encaixar suas imperfeições, procurar seu eixo central por horas a fio, empilhar, uma a uma, as rochas assimétricas, formando totens de exímia beleza.

Enquanto busco o ponto correto de uma pedra ovalada sobre uma quadrada, ouço passos.

Alguém se aproxima.

“Está na hora de conseguir mais pedras para equilibrar!”

Sugerem, sibilantes, as serpentes em minha cabeça.