Cara-metade

Ter alcançado o topo, e estar ali à beira do precipício, com aquela vista e de mãos dadas a ela, era tudo o que ele queria na vida. Naquele momento, ao menos, parecia um sonho. O seu sonho.

Escalar uma montanha já seria uma superação infinita, quase impossível.

Ainda mais com apenas um pé. Mas ter encontrado alguém com quem compartilhasse suas aventuras, risse das suas piadas, quase todas sem graças, sabia, e ainda topasse desafios físicos mundo a fora com ele, era o maior dos prêmios.

Ele não tinha mais dúvidas. Era ela a sua cara-metade. Hoje, quando voltassem ao acampamento, ele a pediria em casamento. Guardava o anel consigo há meses, esperando este momento.

Ele se voltou em sua direção e suspirou feliz. E nesse movimento que fez para alcançá-la, pisou em falso na pedra molhada.