Receita (de amor)

Sci-Fi
Começou, agora termina queride!

Conquista Literária
Conto publicado em
Mirage: Miscelanea de Narrativas Irreais vol. 01

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
Receita (de amor)
0:00
0:00

Preparava a mistura: uma xícara de farinha de milho, duas de açúcar (muito

doce, pensou), uma de leite quente, outra de óleo, meia de chocolate amargo, quatro

ovos, uma colher de sopa de fermento, óleo e fubá para untar. Quarenta minutos a

cento e oitenta graus, no forninho elétrico pré-aquecido.

Rudolf van den Stein era assim, digamos, bem-acabado, esmerado, aplicado,

apurado, aprimorado, quando tencionava algo.

Fechou a porta da cozinha. Um pouco da janela também. Era motivo de chacota

por estes cuidados com o soprar do vento, mas e se o bolo sem glúten desanda?

Não! Abriu rapidamente o aparelho. Esquecera do principal: meia xícara de

nozes e amêndoas, ao natural, picadas por igual, com sua super afiada fina faca pontiaguda,

da qual até ele tinha considerável receio. Ficava na bainha original, como

viera na revista, cuja função primeira seria partir tomates cereja, que ele detestava.

Já a cor...

Destemido, obstinado por leitura, Padre Vieira lhe supria:

“É a guerra aquele monstro, que se sustenta das fazendas, do sangue, das vidas,

e quanto mais come, e consome, tanto menos se farta.”

Dos próprios escritos, o preferido, inspirado na ex:

“Lobos Cerebrais

Agonia, não respirava, pensava, pensava, enlouquecera? Enlouqueceria?

E seu cérebro borbulhava larvas e demônios, não conseguia respirar, e sua

ânsia lhe arrancava os cabelos, com caspas, e jorravam minhocas em frenesi, gemendo,

e viravam setas que fincavam e dilaceravam. Não, borbulhavam gosmentas

serpentes picantes com seus uivos felinos, então eram gigantes, então se foram e

ficou o vazio (ou o oco).

E pipocavam, devoravam o cérebro e se instalaram no vazio.

E seu cérebro se abriu em dois, de um lado minhocas, do outro serpentes,

larvas ao fundo que borbulhavam nas fezes, e iam enlouquecendo, e se consumindo,

e pensando se e que e para que tal coisa, saiam pelas orelhas, nariz, iam garganta

adentro.

Porque falava sem pensar, ficava nervosa, e depois não dormia, demônios

vociferavam, reverberava olhos ao chão — lhe escapuliam e se apoderavam de tudo,

natureza viva virou morta, e brotavam, escalpelavam, e via pessoas.

Loucura.

Era preciso parar o cérebro, que vinha, se apossava, e lhe dilacerava, cortava

em fatias, que cozinhava.

Lagartos repicavam, triplicavam, rebentavam.

E as imagens iam mordicando, tomando conta, e lhe picavam o cérebro, açoitavam,

e ela gritava, e arrancou a cabeça, que fervia num tacho de ferro enorme.”

A torta, no entanto, era para a atual. Extravagante, espantosa, colossal, estupenda,

enigmática Gertrudes!

Arrepia-se imaginando-a deliciando-se na guloseima e sussurrando: horrendo,

assombroso, pasmoso, disforme, perverso, cruel aberração abominável!

Desarvora na sexta-feira úmida, nebulosa, só ele na estradinha. Vagueia lento,

esbarrando no cascalho, esgueirando-se entre os arbustos. E uma ânsia lhe toma,

e seu ar consome, e seu corpo arde, as unhas rebentam, a cabeça lateja, e vê, no breu,

Gertrudes! Só ela, ela, ela... E corre desvairado, corre feito onça, o lindo lobo de pelo

preto liso reluzente. E avança, e a seiva e a saliva escorrem da mandíbula rubi, e a fera

fenece frente a donzela.

E ela, encantada, polvilha geleia e Rudolf devora o bolo e sucumbe estatelado

com a receita dela!

Prólogo

Epílogo

Conto

Preparava a mistura: uma xícara de farinha de milho, duas de açúcar (muito

doce, pensou), uma de leite quente, outra de óleo, meia de chocolate amargo, quatro

ovos, uma colher de sopa de fermento, óleo e fubá para untar. Quarenta minutos a

cento e oitenta graus, no forninho elétrico pré-aquecido.

Rudolf van den Stein era assim, digamos, bem-acabado, esmerado, aplicado,

apurado, aprimorado, quando tencionava algo.

Fechou a porta da cozinha. Um pouco da janela também. Era motivo de chacota

por estes cuidados com o soprar do vento, mas e se o bolo sem glúten desanda?

Não! Abriu rapidamente o aparelho. Esquecera do principal: meia xícara de

nozes e amêndoas, ao natural, picadas por igual, com sua super afiada fina faca pontiaguda,

da qual até ele tinha considerável receio. Ficava na bainha original, como

viera na revista, cuja função primeira seria partir tomates cereja, que ele detestava.

Já a cor...

Destemido, obstinado por leitura, Padre Vieira lhe supria:

“É a guerra aquele monstro, que se sustenta das fazendas, do sangue, das vidas,

e quanto mais come, e consome, tanto menos se farta.”

Dos próprios escritos, o preferido, inspirado na ex:

“Lobos Cerebrais

Agonia, não respirava, pensava, pensava, enlouquecera? Enlouqueceria?

E seu cérebro borbulhava larvas e demônios, não conseguia respirar, e sua

ânsia lhe arrancava os cabelos, com caspas, e jorravam minhocas em frenesi, gemendo,

e viravam setas que fincavam e dilaceravam. Não, borbulhavam gosmentas

serpentes picantes com seus uivos felinos, então eram gigantes, então se foram e

ficou o vazio (ou o oco).

E pipocavam, devoravam o cérebro e se instalaram no vazio.

E seu cérebro se abriu em dois, de um lado minhocas, do outro serpentes,

larvas ao fundo que borbulhavam nas fezes, e iam enlouquecendo, e se consumindo,

e pensando se e que e para que tal coisa, saiam pelas orelhas, nariz, iam garganta

adentro.

Porque falava sem pensar, ficava nervosa, e depois não dormia, demônios

vociferavam, reverberava olhos ao chão — lhe escapuliam e se apoderavam de tudo,

natureza viva virou morta, e brotavam, escalpelavam, e via pessoas.

Loucura.

Era preciso parar o cérebro, que vinha, se apossava, e lhe dilacerava, cortava

em fatias, que cozinhava.

Lagartos repicavam, triplicavam, rebentavam.

E as imagens iam mordicando, tomando conta, e lhe picavam o cérebro, açoitavam,

e ela gritava, e arrancou a cabeça, que fervia num tacho de ferro enorme.”

A torta, no entanto, era para a atual. Extravagante, espantosa, colossal, estupenda,

enigmática Gertrudes!

Arrepia-se imaginando-a deliciando-se na guloseima e sussurrando: horrendo,

assombroso, pasmoso, disforme, perverso, cruel aberração abominável!

Desarvora na sexta-feira úmida, nebulosa, só ele na estradinha. Vagueia lento,

esbarrando no cascalho, esgueirando-se entre os arbustos. E uma ânsia lhe toma,

e seu ar consome, e seu corpo arde, as unhas rebentam, a cabeça lateja, e vê, no breu,

Gertrudes! Só ela, ela, ela... E corre desvairado, corre feito onça, o lindo lobo de pelo

preto liso reluzente. E avança, e a seiva e a saliva escorrem da mandíbula rubi, e a fera

fenece frente a donzela.

E ela, encantada, polvilha geleia e Rudolf devora o bolo e sucumbe estatelado

com a receita dela!

Para continuar lendo
Clube do Livro

Quer ler esse conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura
Ambiente de Leitura
Voltar ao topo

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora