Orum e Ayiê

Afrofuturismo
Novembro de 2020
Começou, agora termina queride!

Conquista Literária
Conto publicado em
Os filhos de Amanaram

Sinopse

Estamos preparando e revisando este conto, em breve o publicaremos aqui. :D

Ayodele é uma filha dividida entre a ciência e a cultura, seu ceticismo acaba sendo mais forte, mas as palavras de seu pai também são!

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
Orum e Ayiê
0:00
0:00

A figura imponente de Baba Nla, sentado em seu trono depedra, na Grande Sala do templo Orum-Aiyê, sempre impressionou Ayodele.Causava-lhe especial espanto observar como seu amoroso pai transfigurava-senaquele ser intimidante. Nesses momentos, ela sempre mantinha uma posturarespeitosa enquanto os demais sacerdotes cumpriam seus papéis cerimoniais. Masnaquele dia eram só ele e ela.

Com um gesto de cabeça, Baba Nla indicou-lhe o atabaque.Ayodele sobressaltou-se. Havia muito que ela não tocava. O que ele estariapretendendo? Ela sabia que seu pai estava descontente com sua decisão dejuntar-se à Pesquisa. Quando ela o informou de sua decisão, de juntar-se ao“inimigo”, seu pai retirou-se e não conversaram mais desde então. E hoje, ele aconvocou. Não como pai, mas como Baba Nla. Ela estava com medo.

Dirigiu-se ao atabaque, sentindo-se inadequada com suasroupas modernas. Olhou para seu pai. Em vão. Quem olhou de volta foi o Baba Nlae seu olhar implacável ordenou que tocasse. Pousou sua mão sobre o instrumentoe sentiu como se as vestes cerimoniais brancas e leves se materializassem sobrea perfeita pele negra. E tocou todos os pontos, sem pensar, sentindo-se livre,a vida do mundo passando por seus braços, suas mãos e sua voz honrando asforças da natureza e o mundo visível e invisível. O Orum e o Aiyê. Quandoparou, sentou-se diante de Baba Nla.

- Seu caminho volta para sua origem.

- Pai..

- Aqui, agora, não sou seu pai.

- Eu quero falar com meu pai.

- Pai? Aquele que você abandonou?

- Eu...

- Quando eu terminar o que deve ser dito, seu pai estaráaqui. Por ora, saiba que você tem um papel a cumprir, muito maior do queimagina. Ouça, observe, sobrepuje a dor e quando ouvir o atabaque, siga opássaro.

Ele fechou os olhos e, quando os abriu, era somente Dayo,seu pai.

- Perdoe, pai. Mas eu não tenho a fé necessária para ser suasucessora. Terá que ser outro.

- Não há outro, filha.

- Mas, e Lekan? Yeji?

- Nenhum deles está pronto, nem estará a tempo. É você quedeve assumir minha jornada e ser a nova Iya Nla.

- Não posso. Sou uma cientista. Perdão, mas preciso partir.Eu te amo, pai. Adeus.

E saiu correndo em direção a sua nova vida, sem olhar umaúltima vez para seu pai. Quando entrasse na Pesquisa, aquele seria seu novolar.

Ela entendia a preocupação de seu pai. Em 10 dias, elecompletaria 50 anos e se tornaria um Salvador: entregaria o próprio corpo paraa Pesquisa e um outro jovem assumiria sua trajetória. Chamavam isso de A Troca.Ele, naturalmente, a escolhera. Mas, apesar de seus dons naturais, era cética.

Seu pai tentou despertar nela, desde cedo, a fé. Contava-lhehistórias da Terra Ancestral, a Mãe África. Histórias dos orixás, de Olodumaré,e também da Criança e da Chuva. De como a Criança, protegida de Oxóssi,distribuía a fartura. De sua pele negra como a noite mais escura, seus olhos,brilhantes como estrelas negras e de seu nascimento na noite da Grande Chuva daMorte, a qual sobreviveu. E de como seu sacrifício apaziguou Oxumaré e tornou achuva abençoada novamente. Mas algo nessa história não fazia sentido e aciência a chamava com mais força.

Seu começo na Pesquisa foi empolgante. De sua mesa, erapossível ver, pela janela, a chegada dos Salvadores, em festa, despedindo-se desuas famílias adentrando a Pesquisa, felizes. Até o dia em que viu seu paichegando para a Troca. Ele chegou sozinho, parecendo triste e olhou diretamentepara ela, como se pudesse vê-la através da janela espelhada. Somente naquelemomento, Ayodele percebeu que os Salvadores iam lá para morrer. Sentiu-se estranha,em choque, por não ter percebido algo tão óbvio. Chorou por seu pai, emsilêncio e, em segredo, recitou as preces por seu espírito.

Um dia, enquanto arquivava documentos, ouviu alto e forte umatabaque e seu coração pulou. Sobre o armário, um uirapuru.

Quando ouvir o atabaque, siga o pássaro”.

E ela o seguiu, em direção à área restrita, passando por umaporta entreaberta e chegando a uma sala que nunca vira antes, cheia de arquivosde memórias. Acessou uma delas, aleatoriamente, e outra e mais outra. Eramtodos de líderes da Autoridade. E então soube de toda a história sórdida. AChuva foi causada pela Autoridade. Uma chuva radioativa para promover uma“limpeza” étnica. Mas algo deu errado. Nem todos morreram e a natureza não foiatingida. A Criança sobreviveu. Precisavam descobrir o porquê. Como oshabitantes se opusessem às pesquisas com a Criança, forjaram sua morte ecessaram a chuva radioativa para alimentar a mística ao redor da Criança. E,enquanto o Culto florescia, prosseguiram com suas pesquisas.

A Criança era invulnerável e parecia imortal. As pesquisaslevantaram mais perguntas do que respostas e resolveram mudar as leis paracriar a Troca e poder pesquisar livremente as pessoas. Queriam replicar emoutro humano as características milagrosas da Criança. Aquilo era monstruoso.

Após acessar todas as memórias, ela não descobriu o que foifeito da Criança. Devem ter guardado material genético dela, já que aspesquisas prosseguiam. O uirapuru pousou em seu ombro. Era hora de ir. Mas, aoentrar no elevador, percebeu que ele não foi para seu andar, como esperado. Eladesceu para o subsolo 10, sem saber como, já que este andar nem aparecia comoopção. A porta abriu e ela desceu, hesitante.

- Ayodele, que bom que você veio. Esperei por muito tempo.

Diante dela, dentro de uma redoma de vidro grosso, estava ummenino, de uns 10 anos. A pele mais negra que ela jamais vira. Os olhos, maisbrilhantes que estrelas. A voz, de anjo.

- Você... A Criança?

- Sim, assim me chamam.

Ayodele caiu de joelhos e chorou.

- Meu pai...

-  Era um homem bom esábio.

- Ninguém sabe a verdade.

- Sim. E isto é errado.

- Por que você não impede?

- Não consigo sair. Preciso de você.

- De mim? Como?

- De sua essência, de sua memória de liberdade.

Liberdade? E ela lembrou-se das histórias que seu paicontava da Mãe África, do atabaque e da força da vida correndo por seus braços.

Batendo as mãos sobre o vidro, soltou a voz e cantou anatureza, a chuva, honrou Oxóssi, mãe Oxum, Ogum, Iansã, Xangô, e todos mais. Ovidro se rompeu, sem som, os cacos flutuando junto dela e da Criança. Seucoração livre da dor se sentiu fundir com A Criança, com o universo.

No dia seguinte, só se falava na terrível explosão naPesquisa e de como, estranhamente, não havia escombros nem corpos, apenas umaimensa cratera e uma única sala, cheia de arquivos de memórias, intacta.

Toda a Amanaram estava indo para lá, ver com os própriosolhos. Mas, desistiram a meio caminho por conta de uma maravilha ainda maior. OTemplo Orum-Ayiê estava com suas grandes portas abertas. Todos os sacerdotes einiciados tocavam e dançavam. No grande trono de pedra, estava a nova Iya Nla,tão parecida com Ayodele, a filha do Baba Nla. Mas seria ela mesmo? Estavadiferente, parecia mais jovem e sua pele era a pele mais negra que já haviamvisto e seus olhos, que pareciam estrelas, tinham a sabedoria dos séculos.

 

Sinopse

Estamos preparando e revisando este conto, em breve o publicaremos aqui. :D

Ayodele é uma filha dividida entre a ciência e a cultura, seu ceticismo acaba sendo mais forte, mas as palavras de seu pai também são!

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
Orum e Ayiê
0:00
0:00

A figura imponente de Baba Nla, sentado em seu trono depedra, na Grande Sala do templo Orum-Aiyê, sempre impressionou Ayodele.Causava-lhe especial espanto observar como seu amoroso pai transfigurava-senaquele ser intimidante. Nesses momentos, ela sempre mantinha uma posturarespeitosa enquanto os demais sacerdotes cumpriam seus papéis cerimoniais. Masnaquele dia eram só ele e ela.

Com um gesto de cabeça, Baba Nla indicou-lhe o atabaque.Ayodele sobressaltou-se. Havia muito que ela não tocava. O que ele estariapretendendo? Ela sabia que seu pai estava descontente com sua decisão dejuntar-se à Pesquisa. Quando ela o informou de sua decisão, de juntar-se ao“inimigo”, seu pai retirou-se e não conversaram mais desde então. E hoje, ele aconvocou. Não como pai, mas como Baba Nla. Ela estava com medo.

Dirigiu-se ao atabaque, sentindo-se inadequada com suasroupas modernas. Olhou para seu pai. Em vão. Quem olhou de volta foi o Baba Nlae seu olhar implacável ordenou que tocasse. Pousou sua mão sobre o instrumentoe sentiu como se as vestes cerimoniais brancas e leves se materializassem sobrea perfeita pele negra. E tocou todos os pontos, sem pensar, sentindo-se livre,a vida do mundo passando por seus braços, suas mãos e sua voz honrando asforças da natureza e o mundo visível e invisível. O Orum e o Aiyê. Quandoparou, sentou-se diante de Baba Nla.

- Seu caminho volta para sua origem.

- Pai..

- Aqui, agora, não sou seu pai.

- Eu quero falar com meu pai.

- Pai? Aquele que você abandonou?

- Eu...

- Quando eu terminar o que deve ser dito, seu pai estaráaqui. Por ora, saiba que você tem um papel a cumprir, muito maior do queimagina. Ouça, observe, sobrepuje a dor e quando ouvir o atabaque, siga opássaro.

Ele fechou os olhos e, quando os abriu, era somente Dayo,seu pai.

- Perdoe, pai. Mas eu não tenho a fé necessária para ser suasucessora. Terá que ser outro.

- Não há outro, filha.

- Mas, e Lekan? Yeji?

- Nenhum deles está pronto, nem estará a tempo. É você quedeve assumir minha jornada e ser a nova Iya Nla.

- Não posso. Sou uma cientista. Perdão, mas preciso partir.Eu te amo, pai. Adeus.

E saiu correndo em direção a sua nova vida, sem olhar umaúltima vez para seu pai. Quando entrasse na Pesquisa, aquele seria seu novolar.

Ela entendia a preocupação de seu pai. Em 10 dias, elecompletaria 50 anos e se tornaria um Salvador: entregaria o próprio corpo paraa Pesquisa e um outro jovem assumiria sua trajetória. Chamavam isso de A Troca.Ele, naturalmente, a escolhera. Mas, apesar de seus dons naturais, era cética.

Seu pai tentou despertar nela, desde cedo, a fé. Contava-lhehistórias da Terra Ancestral, a Mãe África. Histórias dos orixás, de Olodumaré,e também da Criança e da Chuva. De como a Criança, protegida de Oxóssi,distribuía a fartura. De sua pele negra como a noite mais escura, seus olhos,brilhantes como estrelas negras e de seu nascimento na noite da Grande Chuva daMorte, a qual sobreviveu. E de como seu sacrifício apaziguou Oxumaré e tornou achuva abençoada novamente. Mas algo nessa história não fazia sentido e aciência a chamava com mais força.

Seu começo na Pesquisa foi empolgante. De sua mesa, erapossível ver, pela janela, a chegada dos Salvadores, em festa, despedindo-se desuas famílias adentrando a Pesquisa, felizes. Até o dia em que viu seu paichegando para a Troca. Ele chegou sozinho, parecendo triste e olhou diretamentepara ela, como se pudesse vê-la através da janela espelhada. Somente naquelemomento, Ayodele percebeu que os Salvadores iam lá para morrer. Sentiu-se estranha,em choque, por não ter percebido algo tão óbvio. Chorou por seu pai, emsilêncio e, em segredo, recitou as preces por seu espírito.

Um dia, enquanto arquivava documentos, ouviu alto e forte umatabaque e seu coração pulou. Sobre o armário, um uirapuru.

Quando ouvir o atabaque, siga o pássaro”.

E ela o seguiu, em direção à área restrita, passando por umaporta entreaberta e chegando a uma sala que nunca vira antes, cheia de arquivosde memórias. Acessou uma delas, aleatoriamente, e outra e mais outra. Eramtodos de líderes da Autoridade. E então soube de toda a história sórdida. AChuva foi causada pela Autoridade. Uma chuva radioativa para promover uma“limpeza” étnica. Mas algo deu errado. Nem todos morreram e a natureza não foiatingida. A Criança sobreviveu. Precisavam descobrir o porquê. Como oshabitantes se opusessem às pesquisas com a Criança, forjaram sua morte ecessaram a chuva radioativa para alimentar a mística ao redor da Criança. E,enquanto o Culto florescia, prosseguiram com suas pesquisas.

A Criança era invulnerável e parecia imortal. As pesquisaslevantaram mais perguntas do que respostas e resolveram mudar as leis paracriar a Troca e poder pesquisar livremente as pessoas. Queriam replicar emoutro humano as características milagrosas da Criança. Aquilo era monstruoso.

Após acessar todas as memórias, ela não descobriu o que foifeito da Criança. Devem ter guardado material genético dela, já que aspesquisas prosseguiam. O uirapuru pousou em seu ombro. Era hora de ir. Mas, aoentrar no elevador, percebeu que ele não foi para seu andar, como esperado. Eladesceu para o subsolo 10, sem saber como, já que este andar nem aparecia comoopção. A porta abriu e ela desceu, hesitante.

- Ayodele, que bom que você veio. Esperei por muito tempo.

Diante dela, dentro de uma redoma de vidro grosso, estava ummenino, de uns 10 anos. A pele mais negra que ela jamais vira. Os olhos, maisbrilhantes que estrelas. A voz, de anjo.

- Você... A Criança?

- Sim, assim me chamam.

Ayodele caiu de joelhos e chorou.

- Meu pai...

-  Era um homem bom esábio.

- Ninguém sabe a verdade.

- Sim. E isto é errado.

- Por que você não impede?

- Não consigo sair. Preciso de você.

- De mim? Como?

- De sua essência, de sua memória de liberdade.

Liberdade? E ela lembrou-se das histórias que seu paicontava da Mãe África, do atabaque e da força da vida correndo por seus braços.

Batendo as mãos sobre o vidro, soltou a voz e cantou anatureza, a chuva, honrou Oxóssi, mãe Oxum, Ogum, Iansã, Xangô, e todos mais. Ovidro se rompeu, sem som, os cacos flutuando junto dela e da Criança. Seucoração livre da dor se sentiu fundir com A Criança, com o universo.

No dia seguinte, só se falava na terrível explosão naPesquisa e de como, estranhamente, não havia escombros nem corpos, apenas umaimensa cratera e uma única sala, cheia de arquivos de memórias, intacta.

Toda a Amanaram estava indo para lá, ver com os própriosolhos. Mas, desistiram a meio caminho por conta de uma maravilha ainda maior. OTemplo Orum-Ayiê estava com suas grandes portas abertas. Todos os sacerdotes einiciados tocavam e dançavam. No grande trono de pedra, estava a nova Iya Nla,tão parecida com Ayodele, a filha do Baba Nla. Mas seria ela mesmo? Estavadiferente, parecia mais jovem e sua pele era a pele mais negra que já haviamvisto e seus olhos, que pareciam estrelas, tinham a sabedoria dos séculos.

 

Para continuar lendo
Clube do Livro

Quer ler esse conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Entre no clube

Um mês com muito Sci-fi

Para amantes de sci-fi esse mês temos dois incríveis contos originais e um resgate separada especialmente pra vocês pelo nosso editor Fabrício Corradini.

Entre no clube

Tempo, escolha, mistério e econtros nada foge o fim.

Durante toda vida, duas coisas acontecem constantemente, o tempo e as escolhas que tomamos, e uma semore interfere na outra, mas o final esse não da para escolher nem adiar o tempo.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura
Ambiente de Leitura
Voltar ao topo

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora