O Professor

Suspense
Fevereiro de 2020
Começou, agora termina queride!

Conquista Literária
Conto publicado em
Sombras de Galway

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
O Professor
0:00
0:00

Arredores de Galway e o ano ainda é 1985… 


Estou um pouco mais próximo do condado hoje… Tive a impressão de ter visto o desconhecido, que me relatou o que aconteceu aqui ano passado, andando nesta direção e resolvi segui-lo. Mas… Por enquanto ainda não encontrei nada além de medo e receio de dar mais alguns passos. Depois do que li e ouvi sobre o que aconteceu aqui, parte de mim quer apenas dar as costas e ir embora o quanto antes.


Porém, outra parte de mim quer seguir em frente, contar a história deste lugar e abraçar a insanidade rumo ao desconhecido. As vezes me pergunto se já não fiz isso.


O vento sopra forte aqui e o som das ondas quebrando tem um efeito quase hipnotizante… Mais a frente, em um campo verde que dá para o cemitério, o céu parece ainda mais cinzento. O chão ali foi maculado com sangue. Se olho por muito tempo as vezes tenho a impressão de ouvir alguém gritando.


Por hora vou voltar para a estalagem. Talvez outro dia eu chegue mais perto. Por enquanto, ainda me falta coragem ou sanidade para seguir em direção a Galway. Isso me leva ao relato de hoje. O de mais uma das pobres almas que foram tocadas pelo delírio e pelas sombras deste lugar. Desta vez é um professor… seu nome é Oliver Theis Sievert.


Brannon escrevia com estima pelo professor, quando chegou em Galway o mesmo o reconheceu pelos seus livros, coisa que quase nunca aconteceu em sua vida. A vida de Oliver é marcada pelos seus estudos, suas crenças e a possível perda de tudo o que para ele importava. Prestem atenção.



Tudo o que vocês escutarão de mim são relatos de um homem insano e dos relatos tão absurdos quanto o limite da imaginação é capaz de sonhar. Espero que acreditem em minhas palavras, assim como acreditei nas daquele desconhecido... Pois certas histórias são boas para se contar, porém certas histórias são necessárias.


Oliver nasceu em Luxemburgo em uma família que possuía sua bela porção de riquezas. Os Sieverts estavam a poucos degraus da alta sociedade.


Ele teve uma infância feliz, nunca lhe faltou o que comer nem o que beber, praticou esgrima desde pequeno, frequentou boas escolas e teve excelentes tutores que o acompanharam por sua vida, um jovem com uma inteligência e curiosidade acima da média. Formou-se em Antropologia em Luxemburgo e, apesar de gostar do assunto tinha algo que passou a almejar cada vez mais com o tempo… A batina. Oliver carregava o desejo em si de se tornar um homem santo. Após se formar em Luxemburgo ele decidiu ir à Barcelona estudar Teologia. E foi lá que as coisas mudaram. Algo aconteceu com ele… Algo mudou.


Ele abandonou o curso de teologia e a vontade de vestir a batina. Era um homem inteligente mas que, de acordo com seus professores, fazia perguntas demais sobre os tópicos errados.


Oliver mudou seu campo de estudos e passou a estudar ciências da religião. Ele adquiriu um grande amor e fascínio pela relação do homem com a fé e a crença. Se especializando nas crenças politeístas da Europa pós império Romano. Como eu disse, era um homem com inteligência e curiosidade acima da média. Acredito que por isso ele acabou como acabou…


Algo aconteceu com Oliver na Espanha. Ele decidiu se mudar para deixar essas memórias apenas como um passado distante o que o levou até a Irlanda. Oliver diz que veio para a Irlanda para continuar seus estudos sobre os cultos politeístas que tanto o encantavam… tinha sempre seus penduricalhos exóticos que exibia quando falava sobre o que aprendeu.. Mas nunca pareceu que estava apenas vindo à Irlanda… Parecia muito que ele estava também fugindo da Espanha… Entre os penduricalhos, aquele homem carregava culpa, dor… Vergonha… Que ficavam claras demais para que seu rosto leve pudesse esconder. Algo ruim aconteceu com ele em Barcelona..

Seguiu sua vida acadêmica na universidade, até que um velho colega de Luxemburgo ligou para ele e disse que ficou sabendo sobre um tal incidente em Galway.


Uma jovem crucificada.


Oliver ou, Professor Sievert como passou a ser conhecido no mundo acadêmico, não pode deixar de evitar os pensamentos de “seria mesmo verdade? Uma jovem crucificada no ano de 1984? Que lugar seria este?”.


Mais uma vez, seguindo sua curiosidade e vontade de aprender mais, ele embarcou em um trem até o cinzento e pacato condado de Galway… Uma jornada que se provou muito mais do que ele jamais sonhava em ter em sua vida…


Maldição… Os ventos e o mar parecem estar mais conversativos que o de costume… Sussurros tem me visitado nesta velha estalagem… Talvez seja hora de procurar um novo lugar para passar as noites…


Prólogo

Epílogo

Conto

Arredores de Galway e o ano ainda é 1985… 


Estou um pouco mais próximo do condado hoje… Tive a impressão de ter visto o desconhecido, que me relatou o que aconteceu aqui ano passado, andando nesta direção e resolvi segui-lo. Mas… Por enquanto ainda não encontrei nada além de medo e receio de dar mais alguns passos. Depois do que li e ouvi sobre o que aconteceu aqui, parte de mim quer apenas dar as costas e ir embora o quanto antes.


Porém, outra parte de mim quer seguir em frente, contar a história deste lugar e abraçar a insanidade rumo ao desconhecido. As vezes me pergunto se já não fiz isso.


O vento sopra forte aqui e o som das ondas quebrando tem um efeito quase hipnotizante… Mais a frente, em um campo verde que dá para o cemitério, o céu parece ainda mais cinzento. O chão ali foi maculado com sangue. Se olho por muito tempo as vezes tenho a impressão de ouvir alguém gritando.


Por hora vou voltar para a estalagem. Talvez outro dia eu chegue mais perto. Por enquanto, ainda me falta coragem ou sanidade para seguir em direção a Galway. Isso me leva ao relato de hoje. O de mais uma das pobres almas que foram tocadas pelo delírio e pelas sombras deste lugar. Desta vez é um professor… seu nome é Oliver Theis Sievert.


Brannon escrevia com estima pelo professor, quando chegou em Galway o mesmo o reconheceu pelos seus livros, coisa que quase nunca aconteceu em sua vida. A vida de Oliver é marcada pelos seus estudos, suas crenças e a possível perda de tudo o que para ele importava. Prestem atenção.



Tudo o que vocês escutarão de mim são relatos de um homem insano e dos relatos tão absurdos quanto o limite da imaginação é capaz de sonhar. Espero que acreditem em minhas palavras, assim como acreditei nas daquele desconhecido... Pois certas histórias são boas para se contar, porém certas histórias são necessárias.


Oliver nasceu em Luxemburgo em uma família que possuía sua bela porção de riquezas. Os Sieverts estavam a poucos degraus da alta sociedade.


Ele teve uma infância feliz, nunca lhe faltou o que comer nem o que beber, praticou esgrima desde pequeno, frequentou boas escolas e teve excelentes tutores que o acompanharam por sua vida, um jovem com uma inteligência e curiosidade acima da média. Formou-se em Antropologia em Luxemburgo e, apesar de gostar do assunto tinha algo que passou a almejar cada vez mais com o tempo… A batina. Oliver carregava o desejo em si de se tornar um homem santo. Após se formar em Luxemburgo ele decidiu ir à Barcelona estudar Teologia. E foi lá que as coisas mudaram. Algo aconteceu com ele… Algo mudou.


Ele abandonou o curso de teologia e a vontade de vestir a batina. Era um homem inteligente mas que, de acordo com seus professores, fazia perguntas demais sobre os tópicos errados.


Oliver mudou seu campo de estudos e passou a estudar ciências da religião. Ele adquiriu um grande amor e fascínio pela relação do homem com a fé e a crença. Se especializando nas crenças politeístas da Europa pós império Romano. Como eu disse, era um homem com inteligência e curiosidade acima da média. Acredito que por isso ele acabou como acabou…


Algo aconteceu com Oliver na Espanha. Ele decidiu se mudar para deixar essas memórias apenas como um passado distante o que o levou até a Irlanda. Oliver diz que veio para a Irlanda para continuar seus estudos sobre os cultos politeístas que tanto o encantavam… tinha sempre seus penduricalhos exóticos que exibia quando falava sobre o que aprendeu.. Mas nunca pareceu que estava apenas vindo à Irlanda… Parecia muito que ele estava também fugindo da Espanha… Entre os penduricalhos, aquele homem carregava culpa, dor… Vergonha… Que ficavam claras demais para que seu rosto leve pudesse esconder. Algo ruim aconteceu com ele em Barcelona..

Seguiu sua vida acadêmica na universidade, até que um velho colega de Luxemburgo ligou para ele e disse que ficou sabendo sobre um tal incidente em Galway.


Uma jovem crucificada.


Oliver ou, Professor Sievert como passou a ser conhecido no mundo acadêmico, não pode deixar de evitar os pensamentos de “seria mesmo verdade? Uma jovem crucificada no ano de 1984? Que lugar seria este?”.


Mais uma vez, seguindo sua curiosidade e vontade de aprender mais, ele embarcou em um trem até o cinzento e pacato condado de Galway… Uma jornada que se provou muito mais do que ele jamais sonhava em ter em sua vida…


Maldição… Os ventos e o mar parecem estar mais conversativos que o de costume… Sussurros tem me visitado nesta velha estalagem… Talvez seja hora de procurar um novo lugar para passar as noites…


Para continuar lendo
Clube do Livro

Quer ler esse conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura
Ambiente de Leitura
Voltar ao topo

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora