Sobre

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

O homem da capa escura
leia →
Conquistas
O homem da capa escura
Conto

O homem da capa escura

Lucas Santos
1
publicações
publicação
Áudio drama
O homem da capa escura
0:00
0:00
Estamos preparando e revisando este conto, em breve o publicaremos aqui. :D

Sou uma pessoa muito incrédula, mais o fato que irei relatar nestas linhas,

aconteceu comigo, não tem muito tempo. Até hoje me arrepia quando conto esta

história.

Era meados de novembro, vésperas de finados, ou simplesmente “día de los

muertos”. Venho de uma família bastante religiosa, devota ao cristianismo. Assim

como era de costume em minha casa, todos os anos em novembro no dia de finados

nos vestiam de preto, comprávamos rosas, e rumava para o cemitério para um dia de

celebração e penitência com os parentes já falecidos.

Pra dizer a verdade nunca gostei desta prática, mas como era uma tradição

de família, lá íamos nós, todos os anos para o cemitério. E acima de tudo não queria

contrariar minha mãe.

Aconteceu que, os anos; passou, e me tornei moço, continuamos a percorreu

os dias de finados como tradição de família.

Uma semana antes do dia de finados, sabia eu que estava começando uma

semana de rituais e costumes, pra dizer a verdade já estava mais do que acostumado

com tudo aquilo. Aconteceu que uns dias antes do dia de finados; estava eu voltado

do meu trabalho, quanto me deparei com um sujeito, alto, chapéu por sobe a cabeça,

e um sobre tudo escuro cobrindo todo o seu corpo atlético.

Como trabalhava em outra cidade, tinha que viajar cerca de 40 km todos os

dias, acabava por chegar em casa na boca da noite.

Voltando com meu carro, deparei com este estranho sujeito a beira pista.

Fiquei com dó do sujeito e parei meu carro junto à linha do asfalto. O sujeito disse

que estava indo para a mesma cidade que eu, e se por ventura podia eu lhe dar uma

carona. Pra mim não tinha nenhum problema.

O homem da capa escura entrou em meu carro, e dali seguimos viagem. Não

era muito de conversa, falava pouco, estava a reluzir em seus pensamentos. Perguntei

o seu nome, que vez questão de me dizer. Perguntei também sobre sua profissão,

que me disse que era comprador de gado, mexia com retiro, era casado e tinha uma

filha, que deveria ter minha idade, disse ele.

Mesmo muito calado, era um homem carismático, sorriso no rosto, um olhar

sereno, um boa praça. Quanto, chegamos ao trevo, contornei a pequena avenida que

subia e dava entrada para cidade. Logo acima ficava um posto de gasolina, a garagem

da prefeitura, o cemitério e a cooperativa de cafeicultores.

Naquela ocasião perguntei onde o homem morava, ele sorriu e me disse que

estava morando perto da cooperativa. Na rotatória que dava acesso ao pátio da coo-

perativa ele pediu para eu parar o carro, pois ali estava bem perto de sua casa.

Encostei meu carro e o homem desceu rapidamente, me abriu um sorriso e

me agradeceu abertamente. Fiquei ate mesmo muito lisonjeado. Despedimos e cada

um tomou o devido rumo.

Aconteceu que nos dias seguintes encontrei com este estranho homem novamente,

isso aconteceu ate na ante véspera do dia de finados. Como era fim de semana

e o dia de finados caia no domingo, na sexta feira foi o último dia que dei carona para

o estranho homem da capa escura.

Domingo de manhã como sempre acontecia em minha casa; arrumamos; colocamos

nossa melhor roupa preta, e partimos para o cemitério, em penitência, em

visitação para com “los muertos’.

Não era o melhor passeio pra falar a verdade, se não fizéssemos, acharia muito

melhor.

Na praça do cemitério, junto à praça da cooperativa, assim que chegamos, já

tinha um grande número de pessoas aglomerados. Barraquinhas com pessoas vendendo

flores se viam aos montes. Era um ótimo negócio pra época. Minha mãe não

hesitou e comprou alguns vasos de flores.

Ali, era como uma festa de reencontro. Parentes que passávamos anos sem se

verem, estavam todos ali. Com a única missão; celebrar “los muertos”. Uma pratica

estranha, pra minha pessoa. Acho que deveríamos adorar os vivos, não “los Muertos”.

Conversa vai, conversa vem, juntamos as famílias, e adentramos ao cemitério.

Percorrendo os corredores estreitos e apertados, cercado por diferentes lápides,

de diferentes tamanhos, e túmulos de todas as espécies, tamanho e forma. Pessoas

tinham aos montes, de todo quanto é jeito.

Ali rodeado de inúmeras pessoas, uma cena chamou muito minha atenção;

na ala leste bem ao fundo, vi uma lápide, de ardósia, com uma pequena capelinha em

seu jazigo, mais não foi isso que chamou minha atenção. O que realmente me deixou

pasmado, foi que em cima da pequena capelinha avia um sujeito sentado, de costas,

contemplando o infinito, não dava para percebe sua fisionomia. Com tudo o largo

chapéu e a longa capa escura, era inconfundível, lá estava o sujeito que dias atrás

encontrei parado rente ao asfalto, e dei carona para ele.

O que me deixou encabulado, foi do porque, que ele estava sentado em cima

de uma lápide, não era muito devoto das praticas religiosas, mais acho que ali, os

túmulos merecem um pouco de respeito.

Estava tão distraído que nem percebi minha mãe pegando minha mão e chamando

para nossa primeira parada, o túmulo de meu avô. Mas a cena ao fundo chamava

muito minha atenção. Aproximei do túmulo de meu avô e deixei um pequeno

vasinho de flores, pedi licença para minha mãe e familiares, dizendo que tinha que

me ausentar por alguns minutos, tinha que tirar aquela história a limpo.

Por ter uma grande concentração de pessoas no cemitério, tive um pouco de

dificuldade para alcançar meu objetivo, mais quanto aproximei o homem já não estava

mais lá, tinha sumido. Fiquei impressionado, e o procurei por toda a parte, não

o encontrei em meia a multidão.

No túmulo que ele estava sentado, vi uma senhora, que não passava dos 40, e

uma jovem que não chegava aos 20. Estavam, abraçadas de frente a lápide de ardósia,

a mesma aonde virá o homem da capa escura.

Aproximei a passos lentos, e um fato me chamou muita minha atenção; e fez

com que meus cabelos arrepiassem, e minha alma congelasse. Junto à pequena capela,

uma foto, me deixou atordoado, ali estava enterrado o mesmo homem que dias

atrás andei dando lhe carona.

Aproximei da mulher e da jovem, descobri que a mulher era a esposa do homem,

e a menina sua filha. E que aquele homem já tinha morrido fazia sete longos

anos.

Naquele momento perdi o chão, fiquei sem palavras, sem reação; ainda mais

quanto descobri que ele tinha sido morto quanto voltava do trabalho, na mesma

encruzilhada que dava aceso ao asfalto onde eu o pegara.

Não sei bem o que significa tudo isso, o fato que depois daquele acontecimento,

comecei a respeitar mais “los muertos”. Nunca mais vi o sujeito da capa escura,

mais ouvi histórias, histórias de pessoas que encontraram com ele, assim como eu o

encontrei.

Dizem que quanto se esta só, e com pensamentos triviais, passando pela

BR491 ainda é possível se deparar com o estranho sujeito da capa escura.

Dizem por ai que ele ainda esta por lá.

Bom! Eu nunca mais o vi. Mais ainda me causa arrepios, toda vez que menciono

este conto.

FIM

Próximos contos

Próximos capítulos

Sobre

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Sem controle
leia →
Conquistas
Sobre

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Vermelho
leia →
Conquistas
Sobre

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Moloch
leia →
Conquistas
Sobre

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Receita (de amor)
leia →
Conquistas
Sobre

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Às moscas
leia →
Conquistas
Sobre

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

A Barda De Ébano
leia →
Conquistas
Sobre

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Enigma de um dia
leia →
Conquistas
Sobre

O melhor casal / relacionamento entre os personagens da trama.

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Realidade de Teseu
leia →
Conquistas
Romeu e Julieta
Ambiente de leitura
Light
Grey
Sepia
Dark
-T
Tamanho de Fonte
+T