O djinn, a lâmpada e o menino

Fantasia
Começou, agora termina queride!

Conquista Literária
Conto publicado em

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
O djinn, a lâmpada e o menino
0:00
0:00

Contam os homens dignos de fé (mas O Altíssimo sabe mais) que no início do mundo, os djins vagavam livres, poderosos como os anjos.

Entre eles havia um, mais forte e impiedoso. Maltratava homens, feras, anjos e até mesmo demônios. Salomão, então, cansado das perversidades do malvado, trancafiou-o em uma lâmpada de cobre e a jogou na parte mais profunda do Mar Vermelho.

Passaram-se quatro séculos e o djinn permaneceu no fundo, esquecido pela existência, até que um menino, um jovem pescador, sem peixes para pescar na borda, lançou sua rede na parte mais funda, pegando, assim, a lâmpada que aprisionava a criatura.

Ao soltá-la das cordas da rede, num impulso, o menino limpou-a do lodo dos séculos, pois acreditava que a mesma poderia ser vendida no mercado. Como que catapultado para fora, o djinn elevou-se gigante, imenso sobre o garoto, num misto de nuvem, éter e fantasma e, com uma voz que parecia a de uma multidão, pronunciou solene:

- Sou dos Djins criados pelo Infinito, a Ele todo poder e majestade. Meu poder se estendia por todo o universo e era maior que o dos anjos de dos demônios. Por minhas injúrias, fui trancafiado nesta prisão durante quatrocentos anos pelo próprio profeta Salomão. E, agora, tu me libertaste.

No começo, o rapaz ficou feliz por sua boa fortuna, entretanto, sentiu temor devido à aparência assustadora do gigante, que continuou:

- Por quatro séculos roguei que alguma alma piedosa me prestasse o bom serviço de me libertar, prometendo a mim mesmo que, àquele que me libertasse, concederia três desejos todos os dias, até o fim de sua vida. Mas ninguém apareceu. No segundo século, jurei que daria a qualquer um que me retirasse desta maldita garrafa, um desejo, fosse ele qual fosse. Entretanto, prometia à água, porque também ninguém veio ao meu auxílio. Por fim, já no terceiro século, proferi que mataria sem dó nem piedade aquele que me livrasse.

O jovem pescador, que já ouvira falar acerca de djins aprisionados pelos lábios de um velho pescador, pensava numa maneira de aprisionar novamente o vilão, mas a curiosidade o venceu e ele perguntou:

- Contudo, ó grande e impiedoso djinn, o terceiro século passou e ninguém veio, não é mesmo?

O gigante parou por um instante e fitou o pescador:

- Sim, está certo, incauto. – disse melancólico – Por isso, após quatro séculos de minha reclusão, prometi que aquele que me libertasse tomaria meu lugar, com todos os meus poderes e minha maldição. Podendo ver o começo, o meio e o fim do mundo ao mesmo tempo. Com poderes menores apenas que o Sempiterno, a Ele o início e o fim, porém confinado em uma lâmpada de cobre imunda. Enquanto eu tomaria o lugar de meu libertador, vivendo como os homens, crescendo como os homens, sonhando como os homens, copulando como os homens, e morrendo como os homens. Porque a eternidade é como um fardo pesado demais para qualquer um que não seja o Senhor do Senhores, a Ele toda justiça e toda honra.

Quando percebeu, o menino já se tornara um djinn e encontrava-se trancafiado na lâmpada de cobre, que repousou na parte mais profunda do Mar Vermelho. Nunca mais provou a dor, o sofrimento ou a morte que assombram a todos os homens.

Quanto ao djinn que se tornara homem, ele cresceu e sonhou, amou e viveu, envelheceu e morreu com a impressionante idade de 300 anos. Não teve filhos.

A Glória esteja com Aquele que não tem início nem fim.

Palma, palma... Logo os contos desta obra serão selecionados e aparecerão aqui.

Prólogo

Epílogo

Conto

Contam os homens dignos de fé (mas O Altíssimo sabe mais) que no início do mundo, os djins vagavam livres, poderosos como os anjos.

Entre eles havia um, mais forte e impiedoso. Maltratava homens, feras, anjos e até mesmo demônios. Salomão, então, cansado das perversidades do malvado, trancafiou-o em uma lâmpada de cobre e a jogou na parte mais profunda do Mar Vermelho.

Passaram-se quatro séculos e o djinn permaneceu no fundo, esquecido pela existência, até que um menino, um jovem pescador, sem peixes para pescar na borda, lançou sua rede na parte mais funda, pegando, assim, a lâmpada que aprisionava a criatura.

Ao soltá-la das cordas da rede, num impulso, o menino limpou-a do lodo dos séculos, pois acreditava que a mesma poderia ser vendida no mercado. Como que catapultado para fora, o djinn elevou-se gigante, imenso sobre o garoto, num misto de nuvem, éter e fantasma e, com uma voz que parecia a de uma multidão, pronunciou solene:

- Sou dos Djins criados pelo Infinito, a Ele todo poder e majestade. Meu poder se estendia por todo o universo e era maior que o dos anjos de dos demônios. Por minhas injúrias, fui trancafiado nesta prisão durante quatrocentos anos pelo próprio profeta Salomão. E, agora, tu me libertaste.

No começo, o rapaz ficou feliz por sua boa fortuna, entretanto, sentiu temor devido à aparência assustadora do gigante, que continuou:

- Por quatro séculos roguei que alguma alma piedosa me prestasse o bom serviço de me libertar, prometendo a mim mesmo que, àquele que me libertasse, concederia três desejos todos os dias, até o fim de sua vida. Mas ninguém apareceu. No segundo século, jurei que daria a qualquer um que me retirasse desta maldita garrafa, um desejo, fosse ele qual fosse. Entretanto, prometia à água, porque também ninguém veio ao meu auxílio. Por fim, já no terceiro século, proferi que mataria sem dó nem piedade aquele que me livrasse.

O jovem pescador, que já ouvira falar acerca de djins aprisionados pelos lábios de um velho pescador, pensava numa maneira de aprisionar novamente o vilão, mas a curiosidade o venceu e ele perguntou:

- Contudo, ó grande e impiedoso djinn, o terceiro século passou e ninguém veio, não é mesmo?

O gigante parou por um instante e fitou o pescador:

- Sim, está certo, incauto. – disse melancólico – Por isso, após quatro séculos de minha reclusão, prometi que aquele que me libertasse tomaria meu lugar, com todos os meus poderes e minha maldição. Podendo ver o começo, o meio e o fim do mundo ao mesmo tempo. Com poderes menores apenas que o Sempiterno, a Ele o início e o fim, porém confinado em uma lâmpada de cobre imunda. Enquanto eu tomaria o lugar de meu libertador, vivendo como os homens, crescendo como os homens, sonhando como os homens, copulando como os homens, e morrendo como os homens. Porque a eternidade é como um fardo pesado demais para qualquer um que não seja o Senhor do Senhores, a Ele toda justiça e toda honra.

Quando percebeu, o menino já se tornara um djinn e encontrava-se trancafiado na lâmpada de cobre, que repousou na parte mais profunda do Mar Vermelho. Nunca mais provou a dor, o sofrimento ou a morte que assombram a todos os homens.

Quanto ao djinn que se tornara homem, ele cresceu e sonhou, amou e viveu, envelheceu e morreu com a impressionante idade de 300 anos. Não teve filhos.

A Glória esteja com Aquele que não tem início nem fim.

Palma, palma... Logo os contos desta obra serão selecionados e aparecerão aqui.
Para continuar lendo
Outros contos não foram encontrados.
Leia agora

Mais contos em

Clube do Livro

Quer ler esse conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura
Ambiente de Leitura
Voltar ao topo

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora