No rastro das migalhas

Suspense
Outubro de 2020
Começou, agora termina queride!

Conquista Literária
Conto publicado em
No Rastro das Migalhas

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
No rastro das migalhas
0:00
0:00

A fita listrada preta e amarela e a movimentação de policiais numa viela eram a sensação do momento, deixando suposições percorrerem na boca dos curiosos.

Um homem de ar cansado afasta a barreira humana com a mão esquerda, enquanto que a direita mostra sua identidade de delegado para o cabo desavisado.

— Aí, chefe!-chama o patrulheiro - Pode mandar pro IML! Esse aqui é só queima de arquivo, tá na cara!

O delegado finge não ouvir. Veste as luvas descartáveis e abre o saco. O cheiro faz os presentes lacrimejarem.

— Saraiva! Alguma estimativa da decomposição?

— Uns trinta ou quarenta dias, senhor. Vai depender da análise do laboratório. - responde calmamente uma mulher, enquanto toma seu café.

O delegado inspeciona as mucosas do morto. A boca está roxa. Há uma marca de contusão na nuca. – Pereira?

— O tempo bate com a queixa de desaparecimento. - diz um homem de meia idade - Seu nome é Brás Figueiredo, quarenta e três anos, mecânico de automóveis. Tem uma ordem de restrição…

Da esposa, Nadir Figueiredo.- fala Saraiva - Já passou pelo gabinete inúmeras vezes com queimaduras de cigarro no rosto, mas nunca teve coragem de deixar o diabo do marido. Isso, claro, até algumas semanas atrás…

— Então, ela teve coragem de apagar o próprio marido? - resmunga o patrulheiro.

Pereira manda o homem calar a boca com um gesto. - Isso não foi passional. – com olhar, indica algo.

O delegado puxa o braço esquerdo do defunto. Falta um dedo da mão.

— Anelar?

— É. – diz Saraiva - E não há nenhum sinal dele por aqui.

O patrulheiro arregala os olhos.

— Misericórdia! Será que ele…?

Eles se olham. Os outros policiais em volta ficam sem entender.

Num dos bolsos do defunto, há um bilhete, feito de recortes de jornal:


NINGUÉM VÊ ISSO

— Assassino do Anelar! Meu Deus! - exclama o patrulheiro.

— O quê? – Saraiva olha o homem com estranhamento.

— É assim que estão chamando ele nos jornais.

— Estamos deixando escapar algo... - comenta Pereira. – Onde foi que já vimos algo semelhante?

— Refresquem minha memória.- solicita o delegado.

— O primeiro foi há seis meses. Pedro Oliveira, 37 anos, advogado. - descreve Saraiva - Tinha passagem por violência doméstica.

— O segundo foi três meses depois. Eduardo Azevedo, 26 anos, fisiculturista. - continua Pereira. - Quase matou a ex por ciúmes.

— Há dois meses, foi Jairo Albuquerque, 51, vendedor. – diz Saraiva – Não tinha passagem, mas era um mulherengo e devia pensão para quatro das cinco ex.

— Que relação há entre esses homens? – pergunta o delegado.

— Além de serem uns escrotos? – comenta Saraiva.

— Algo mais? – o delegado insiste.

— Em todos foi deixado um bilhete. Aparentemente frases aleatórias:


VOCÊ TEM UMA ILUMINAÇÃO

NÃO PRECISEI FAZER MUITO

O MUNDO É PEQUENO DEMAIS

Ainda não percebi a relação entre elas.

— Nádia Oliveira. Naiara Azevedo. Nelita Albuquerque. Nadir Figueiredo.

— O quê é isso, Pereira?

— Todas as mulheres ou ex tem os nomes começados com N. Eu sabia que já tinha visto um padrão parecido. – conclui o detetive.

Um alerta na cabeça do delegado se ligou.

— Ao que tudo indica, dona Nina fez escola. – Saraiva se adianta.

— Se for, o matador está começando a ficar mais esperto e mais rápido! Temos que agir logo, ou outro marido será morto!

— Então, temos cinco suspeitas? - indaga Pereira.

— Quero a ficha completa de todas! - ordenou o delegado nervoso. - E se existe alguma ligação entre elas ou com a falecida dona Nina. Busquem no passado de dona Nina se há algum parente ou conhecido. Qualquer coisa pode ser uma pista. E quero que a imprensa saiba o menos possível. Não queremos uma comoção. "Pereira e Saraiva se olham, na certeza de que uma longa noite estava se iniciando.

— Se bem que ele ou ela está fazendo um favor a humanidade tirando esse tipo de lixo no mundo, cá entre nós, né, chefe? – O patrulheiro comenta.

O delegado Adriano esboça um sorriso. Fecha o saco, e vai embora, cheio de lembranças a assombrar os pensamentos.

Prólogo

Epílogo

Conto

A fita listrada preta e amarela e a movimentação de policiais numa viela eram a sensação do momento, deixando suposições percorrerem na boca dos curiosos.

Um homem de ar cansado afasta a barreira humana com a mão esquerda, enquanto que a direita mostra sua identidade de delegado para o cabo desavisado.

— Aí, chefe!-chama o patrulheiro - Pode mandar pro IML! Esse aqui é só queima de arquivo, tá na cara!

O delegado finge não ouvir. Veste as luvas descartáveis e abre o saco. O cheiro faz os presentes lacrimejarem.

— Saraiva! Alguma estimativa da decomposição?

— Uns trinta ou quarenta dias, senhor. Vai depender da análise do laboratório. - responde calmamente uma mulher, enquanto toma seu café.

O delegado inspeciona as mucosas do morto. A boca está roxa. Há uma marca de contusão na nuca. – Pereira?

— O tempo bate com a queixa de desaparecimento. - diz um homem de meia idade - Seu nome é Brás Figueiredo, quarenta e três anos, mecânico de automóveis. Tem uma ordem de restrição…

Da esposa, Nadir Figueiredo.- fala Saraiva - Já passou pelo gabinete inúmeras vezes com queimaduras de cigarro no rosto, mas nunca teve coragem de deixar o diabo do marido. Isso, claro, até algumas semanas atrás…

— Então, ela teve coragem de apagar o próprio marido? - resmunga o patrulheiro.

Pereira manda o homem calar a boca com um gesto. - Isso não foi passional. – com olhar, indica algo.

O delegado puxa o braço esquerdo do defunto. Falta um dedo da mão.

— Anelar?

— É. – diz Saraiva - E não há nenhum sinal dele por aqui.

O patrulheiro arregala os olhos.

— Misericórdia! Será que ele…?

Eles se olham. Os outros policiais em volta ficam sem entender.

Num dos bolsos do defunto, há um bilhete, feito de recortes de jornal:


NINGUÉM VÊ ISSO

— Assassino do Anelar! Meu Deus! - exclama o patrulheiro.

— O quê? – Saraiva olha o homem com estranhamento.

— É assim que estão chamando ele nos jornais.

— Estamos deixando escapar algo... - comenta Pereira. – Onde foi que já vimos algo semelhante?

— Refresquem minha memória.- solicita o delegado.

— O primeiro foi há seis meses. Pedro Oliveira, 37 anos, advogado. - descreve Saraiva - Tinha passagem por violência doméstica.

— O segundo foi três meses depois. Eduardo Azevedo, 26 anos, fisiculturista. - continua Pereira. - Quase matou a ex por ciúmes.

— Há dois meses, foi Jairo Albuquerque, 51, vendedor. – diz Saraiva – Não tinha passagem, mas era um mulherengo e devia pensão para quatro das cinco ex.

— Que relação há entre esses homens? – pergunta o delegado.

— Além de serem uns escrotos? – comenta Saraiva.

— Algo mais? – o delegado insiste.

— Em todos foi deixado um bilhete. Aparentemente frases aleatórias:


VOCÊ TEM UMA ILUMINAÇÃO

NÃO PRECISEI FAZER MUITO

O MUNDO É PEQUENO DEMAIS

Ainda não percebi a relação entre elas.

— Nádia Oliveira. Naiara Azevedo. Nelita Albuquerque. Nadir Figueiredo.

— O quê é isso, Pereira?

— Todas as mulheres ou ex tem os nomes começados com N. Eu sabia que já tinha visto um padrão parecido. – conclui o detetive.

Um alerta na cabeça do delegado se ligou.

— Ao que tudo indica, dona Nina fez escola. – Saraiva se adianta.

— Se for, o matador está começando a ficar mais esperto e mais rápido! Temos que agir logo, ou outro marido será morto!

— Então, temos cinco suspeitas? - indaga Pereira.

— Quero a ficha completa de todas! - ordenou o delegado nervoso. - E se existe alguma ligação entre elas ou com a falecida dona Nina. Busquem no passado de dona Nina se há algum parente ou conhecido. Qualquer coisa pode ser uma pista. E quero que a imprensa saiba o menos possível. Não queremos uma comoção. "Pereira e Saraiva se olham, na certeza de que uma longa noite estava se iniciando.

— Se bem que ele ou ela está fazendo um favor a humanidade tirando esse tipo de lixo no mundo, cá entre nós, né, chefe? – O patrulheiro comenta.

O delegado Adriano esboça um sorriso. Fecha o saco, e vai embora, cheio de lembranças a assombrar os pensamentos.

Para continuar lendo
Clube do Livro

Quer ler esse conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura
Ambiente de Leitura
Voltar ao topo

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora