Começou, agora termina queride!

Conquista Literária
Conto publicado em
ACID NEON: Narrativas de um futuro próximo vol. 02

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
Nervos
0:00
0:00

A última memória que tenho da Terra é de uma

criança. Uma garotinha de uns sete anos com cabelos longos

e escuros, presos atrás com um pequeno grampo. Era noite

e a lua pairava em seus olhos esbranquiçados como um fantasma

em uma noite fria. Encarei-a em silêncio, aguardando

ansiosamente seus próximos movimentos. Me orbitou umas

três vezes, repousou as mãos sobre meu braço com delicadeza

e sorriu.

– Vamos?

Testei minha voz antes de responder. Inspirei com

ansiedade e expirei com coragem.

– Sim, estou pronto.

Permanecemos completamente estáticos.

Me despedi dos ares do mundo, arranquei do chão

uma flor já em presságio de morte e me entreguei, tal como

um soldado que deseja a guerra mas se prepara para a paz

– embora não mais existisse nem guerra, nem paz e muito

menos a paixão de Karenina na Capitania de onde vim.

Era sempre paz com rumores de guerra ou uma constante

guerra que convencionamos chamar paz pra não confundir

o trabalho dos historiadores. É o preço que se paga pelo livre

arbítrio. Os criminosos eram lançados no inferno antes mesmo

de morrer e o meu inferno foi a Quinta Capitania – algo

entre um aterro e as Ilhas Izu na escala de lugares menos

propícios pra se viver. O gás era tóxico e recebíamos benevolência

do Antigo Estado que nos dava capacetes vedados

e com filtros para garantir que sobreviveríamos. Apesar de

tudo, ainda evoca memórias de lar.

A garotinha me guiou até uma enorme porta de vidro

com uma maçaneta cristalina, tirou meu capacete e me

entregou um macacão. Do lado de lá, um pequeno quarto

com uma mulher de pé entre uma cadeira e uma forca. O

resto era sem vida, e não só no modo de falar. Alguns ossos

e cadáveres esquecidos sobre o chão, além de paredes cinzentas

que combinavam com meus novos uniformes e, sem

qualquer charme, tornavam as dimensões físicas um delírio.

Entrei e a porta se fechou atrás de mim.

Cinco minutos. Mais cinco minutos. Outros cinco

e depois mais quinze silenciosos minutos. Um som, como

uma ópera atonal, tomou conta da cela. Ao mesmo tempo

seduzia e angustiava e rapidamente coloria a atmosfera da

salinha mal iluminada com brilhantes formas geométricas:

dodecágonos. Enquanto isso, a mulher flertava com os cadáveres,

ensaiando alguns passos de dança moderna – a dança

da morte, brincou. As luzes e os polígonos me possuíram

por um breve instante e uma sensação de descarga elétrica

preencheu meu fluxo circulatório. Descansei as pálpebras

com fraqueza e depois, mais silêncio. Foi assim o meu segundo

nascimento. Sem sangue e nem ninguém olhando por

mim com a felicidade de uma cadela com a sua cria. Tiraram

meu nome e esqueceram de me rebatizar. Não se pode querer

ser ninguém sem ao menos ter memórias de si. Renasci

com um cigarro na mão, sendo observado em meio à fumaça

do tabaco. Talvez as penas do purgatório sejam piores que

as do inferno.

– Não tem nada pra fazer aqui, se acostume – disse

a bailarina da morte, com uma voz extremamente neutra.

– Onde estamos? – perguntei, ainda paciente.

– Pra ser sincera eu nem sei. Já faz um tempo que eu

me distraí.

– Pelo menos estamos perdidos juntos.

– Perdidos? Eu não estou perdida, não. Só estou distraída

demais pra saber onde estou.

– E qual é a diferença? – perguntei, com menos paciência

do que antes.

– Você está perdido?

Respondi que sim com a cabeça, semicolérico, abrindo

os braços.

– Mas – continuou – aposto que não está distraído.

– Acho que não.

– Então me diga você qual é a diferença.

Essa foi a primeira das poucas vezes que tivemos diálogos.

Devo admitir que muitos deles seriam ilegais mesmo

se quisesse contá-los, mas de certa forma o silêncio e a

dança ilustram nossa relação suficientemente bem, então os

diálogos nem farão tanta falta. Pra resumir, eu fui me encontrando

com o tempo. Quanto mais me encontrava, mais

me distraía. Poucas semanas depois tornamo-nos companheiros

de cela suportáveis, até ríamos de vez em quando.

Decidi apelidar-me de Fausto, como o herói de Goethe e ela

se batizou Inga. Inga Gill, como a atriz. Tinha uns quarenta e

poucos anos, cabelo curto e pele desidratada, mais escura do

que a minha. Poucas semelhanças com a atriz, embora ambas

tivessem o mesmo defeito de dançar em ocasiões inoportunas.

Dizia não saber ao certo se havia nascido sem visão ou

se perdera a capacidade de enxergar no cativeiro, mas pouco

se importava com o que não sabia.

• • •

As crianças nos visitavam uma vez por dia, pela manhã.

Mais tarde descobrimos que eram robôs – enfermeiros

ou militares – e que andavam nuas pra evitar superaquecimento.

Traziam-nos cigarros e esborrifavam os dodecágo-

nos brilhantes no ar, que diziam ser gases medicinais “para

a cura da alma”. Quando elas estivessem bastante saudáveis,

nos submeteriam ao processo de Ascensão, do qual éramos

cobaias. A coroa de louros seria o paraíso do Mundo Livre,

um planeta inédito, feito do zero e colocado em órbita do

Sol para que pudéssemos escapar da toxicidade que atingira

as Capitanias. Sempre que tentávamos resistir às inalações

(e poucas vezes aos cigarros), os robozinhos sorriam e

apontavam para os cadáveres que haviam se enforcado. Não

se importariam se tomássemos o mesmo rumo, é claro que

havia muitos outros como nós, mas Inga e eu éramos vicários,

não vendidos; heróis, não frouxos. Ou pelo menos nos

convencemos disso. Se tudo ocorresse bem e suportássemos

a humilhação, sairíamos com honras – se não, seríamos descartados

como animais desalmados (mais do que já éramos),

no que restara pelas Capitanias da Terra. Nada a perder.

Como chopins pretos em um alçapão, nos sujeitamos

a todas as doses e tragamos todo o tabaco que nos foi dado.

No primeiro mês não notei nenhuma diferença clara. Meu

desejo sexual e meu apetite diminuíram ligeiramente, bem

como a minha memória, mas fora isso ainda pensava em torpezas

o tempo todo e Inga também continuava praticamente

ela mesma, com os mesmos vícios e loucuras que a trouxeram

ao cativeiro. Pensamos que talvez nossas almas fossem

atípicas, ou que a falta de comida as estivesse afetando de

alguma maneira, anulando a catarse.

Foi quando Inga tentou se enforcar que comecei a

perceber que quanto mais sofríamos, mais rápido os gases

nos afetavam. Espertamente, provocamo-nos com alguns

gatilhos. Chorei pela falta de memória e pelo mundo que

deixei. Depois, por não saber quem era ou onde estava, se é

que um dia já pertenci a algum lugar. Inga chorou pelos cadáveres

largados na cadeira, que já fediam quase tanto quanto

nossos braços e nos metiam pavor de noite. Nos batíamos,

nos mutilávamos, roíamos a carne um do outro. Com o tem-

po, tornamo-nos indiferentes; resistência no cérebro e calos

nas mãos. A violência foi sendo substituída pela lealdade e o

egoísmo pelo bem mútuo. No verão, tomamos conta de algumas

manchas de umidade na parede e aos corpos putrefatos

cantamos um velório digno. No outono, presenteei Inga

com a minha flor que, embora morta, era a única lembrança

de um passado cada vez mais desconhecido – a serviu de alimento

por algumas horas. No inverno ficamos nús, oferecendo

a roupa do corpo a quem desejasse proteção. Fomos

programados para servir.

• • •

Alguns dias antes de completarmos um ano em observação,

chegou o mês de Brumário. Enfim as crianças não

nos trouxeram nem tabaco e nem formas geométricas, mas

cabines brancas, do tamanho de caixões. Me despedi do meu

corpo, cumprimentei Inga e subi na máquina. Na minha

mente, visões da Liberdade guiando o povo com o mesmo

vigor das primaveras anteriores. Mais do que alforria: a maldita

igualdade que invejamos por séculos. Chegada a hora da

ascensão, minha mente se lançou em deserto ínvio. Repeti o

juramento em obediência ao Mundo Livre. Não posso querer

ser ninguém. Cheia de felicidade, Inga sorriu e escalou a

cabine ao lado. A sala escureceu-se completamente, e ventos

úmidos foram tomando o lugar do ar quente. Depois, luzes

muito fortes voltaram a iluminá-la e com elas acordamos,

talvez dias depois. Flashes de câmeras. A primeira – segundo

as manchetes – de muitas outras redes anímicas teve grande

sucesso. Finalmente deveríamos estar preparados para o

Mundo Livre.

Nossa alma, num enorme banco de dados, voltou a

ser a coroa da criação desde o pecado original e Inga conse-

guiu enxergar um futuro, sem saber se pela primeira vez. Os

novos corpos eram, ao menos, resistentes, deveriam durar

por mais uns duzentos anos. Mas os nervos eram um problema

– estes, sim, enfraqueciam, como antes faziam os nossos

ossos, e nos traziam à mente o tempo todo que éramos

alguém. Ainda que não soubesse exatamente do que sentir

saudades, Inga sabia que dançava. E eu, que jurava me sentir

muito melhor agora, decidi por muito tempo ignorar os

meus nervos. Nunca invoquei a memória de meus antepassados,

mas pensei que estariam de acordo... Almas perfeitas:

e livres! “Mas os nervos...”, dizia Inga. Os nervos sempre nos

lembravam que a violência e o impulso eram nossa perdição

e ainda culpávamos todo o mundo, quando éramos nós os

culpados. Meus nervos que me perdoem, mas estive próximo

de condená-los à morte. Fomos resgatados das Capitanias

e, pela graça salvadora dos nossos líderes, evoluímos

para o Mundo Livre: há memória maior do que essa, Inga?...

Inga?

Levaram-na. A flor que ingeriu era tóxica e a encheu

de memórias. Memórias... a porta de entrada para as piores

crueldades imagináveis, costumavam dizer os mais velhos.

Inga que me perdoe, mas não se pode permitir o medo neste

novo mundo, ainda que o preço da coragem seja derramar

sangue. O Mundo Livre requer sacrifício, obediência e lealdade,

como havíamos prometido. A punição de Inga serviria

de exemplo. Os resquícios de humanidade não deveriam ser

permitidos. São todos pensamentos intrusivos, ilegais e egoístas,

ódio e violência, paixões e erros…

. . . ERROR . . .

INVALID_NAME_EXCEPTION:

DATA “INGA” NOT FOUND

A morte de Inga despertou os meus nervos, e estes,

minha paixão. Foi meu veneno. Me tornei como um filhote

pequeno e sedento – sem memória alguma ou qualquer

tipo de conhecimento, ainda sei que preciso de água pra me

satisfazer. E ferro. Escravo da vontade e com os nervos totalmente

enfraquecidos, me aproximei do corpo de minha

companheira pra dizer adeus. Não há nada a fazer, mas pouco

importa! Com a vergonha de Adão escondendo-se atrás

dos arbustos, vou ao seu encontro. A história da criação se

repete. Sem honras e sem flores, mas em paz (com os nervos).

Prólogo

Epílogo

Conto

A última memória que tenho da Terra é de uma

criança. Uma garotinha de uns sete anos com cabelos longos

e escuros, presos atrás com um pequeno grampo. Era noite

e a lua pairava em seus olhos esbranquiçados como um fantasma

em uma noite fria. Encarei-a em silêncio, aguardando

ansiosamente seus próximos movimentos. Me orbitou umas

três vezes, repousou as mãos sobre meu braço com delicadeza

e sorriu.

– Vamos?

Testei minha voz antes de responder. Inspirei com

ansiedade e expirei com coragem.

– Sim, estou pronto.

Permanecemos completamente estáticos.

Me despedi dos ares do mundo, arranquei do chão

uma flor já em presságio de morte e me entreguei, tal como

um soldado que deseja a guerra mas se prepara para a paz

– embora não mais existisse nem guerra, nem paz e muito

menos a paixão de Karenina na Capitania de onde vim.

Era sempre paz com rumores de guerra ou uma constante

guerra que convencionamos chamar paz pra não confundir

o trabalho dos historiadores. É o preço que se paga pelo livre

arbítrio. Os criminosos eram lançados no inferno antes mesmo

de morrer e o meu inferno foi a Quinta Capitania – algo

entre um aterro e as Ilhas Izu na escala de lugares menos

propícios pra se viver. O gás era tóxico e recebíamos benevolência

do Antigo Estado que nos dava capacetes vedados

e com filtros para garantir que sobreviveríamos. Apesar de

tudo, ainda evoca memórias de lar.

A garotinha me guiou até uma enorme porta de vidro

com uma maçaneta cristalina, tirou meu capacete e me

entregou um macacão. Do lado de lá, um pequeno quarto

com uma mulher de pé entre uma cadeira e uma forca. O

resto era sem vida, e não só no modo de falar. Alguns ossos

e cadáveres esquecidos sobre o chão, além de paredes cinzentas

que combinavam com meus novos uniformes e, sem

qualquer charme, tornavam as dimensões físicas um delírio.

Entrei e a porta se fechou atrás de mim.

Cinco minutos. Mais cinco minutos. Outros cinco

e depois mais quinze silenciosos minutos. Um som, como

uma ópera atonal, tomou conta da cela. Ao mesmo tempo

seduzia e angustiava e rapidamente coloria a atmosfera da

salinha mal iluminada com brilhantes formas geométricas:

dodecágonos. Enquanto isso, a mulher flertava com os cadáveres,

ensaiando alguns passos de dança moderna – a dança

da morte, brincou. As luzes e os polígonos me possuíram

por um breve instante e uma sensação de descarga elétrica

preencheu meu fluxo circulatório. Descansei as pálpebras

com fraqueza e depois, mais silêncio. Foi assim o meu segundo

nascimento. Sem sangue e nem ninguém olhando por

mim com a felicidade de uma cadela com a sua cria. Tiraram

meu nome e esqueceram de me rebatizar. Não se pode querer

ser ninguém sem ao menos ter memórias de si. Renasci

com um cigarro na mão, sendo observado em meio à fumaça

do tabaco. Talvez as penas do purgatório sejam piores que

as do inferno.

– Não tem nada pra fazer aqui, se acostume – disse

a bailarina da morte, com uma voz extremamente neutra.

– Onde estamos? – perguntei, ainda paciente.

– Pra ser sincera eu nem sei. Já faz um tempo que eu

me distraí.

– Pelo menos estamos perdidos juntos.

– Perdidos? Eu não estou perdida, não. Só estou distraída

demais pra saber onde estou.

– E qual é a diferença? – perguntei, com menos paciência

do que antes.

– Você está perdido?

Respondi que sim com a cabeça, semicolérico, abrindo

os braços.

– Mas – continuou – aposto que não está distraído.

– Acho que não.

– Então me diga você qual é a diferença.

Essa foi a primeira das poucas vezes que tivemos diálogos.

Devo admitir que muitos deles seriam ilegais mesmo

se quisesse contá-los, mas de certa forma o silêncio e a

dança ilustram nossa relação suficientemente bem, então os

diálogos nem farão tanta falta. Pra resumir, eu fui me encontrando

com o tempo. Quanto mais me encontrava, mais

me distraía. Poucas semanas depois tornamo-nos companheiros

de cela suportáveis, até ríamos de vez em quando.

Decidi apelidar-me de Fausto, como o herói de Goethe e ela

se batizou Inga. Inga Gill, como a atriz. Tinha uns quarenta e

poucos anos, cabelo curto e pele desidratada, mais escura do

que a minha. Poucas semelhanças com a atriz, embora ambas

tivessem o mesmo defeito de dançar em ocasiões inoportunas.

Dizia não saber ao certo se havia nascido sem visão ou

se perdera a capacidade de enxergar no cativeiro, mas pouco

se importava com o que não sabia.

• • •

As crianças nos visitavam uma vez por dia, pela manhã.

Mais tarde descobrimos que eram robôs – enfermeiros

ou militares – e que andavam nuas pra evitar superaquecimento.

Traziam-nos cigarros e esborrifavam os dodecágo-

nos brilhantes no ar, que diziam ser gases medicinais “para

a cura da alma”. Quando elas estivessem bastante saudáveis,

nos submeteriam ao processo de Ascensão, do qual éramos

cobaias. A coroa de louros seria o paraíso do Mundo Livre,

um planeta inédito, feito do zero e colocado em órbita do

Sol para que pudéssemos escapar da toxicidade que atingira

as Capitanias. Sempre que tentávamos resistir às inalações

(e poucas vezes aos cigarros), os robozinhos sorriam e

apontavam para os cadáveres que haviam se enforcado. Não

se importariam se tomássemos o mesmo rumo, é claro que

havia muitos outros como nós, mas Inga e eu éramos vicários,

não vendidos; heróis, não frouxos. Ou pelo menos nos

convencemos disso. Se tudo ocorresse bem e suportássemos

a humilhação, sairíamos com honras – se não, seríamos descartados

como animais desalmados (mais do que já éramos),

no que restara pelas Capitanias da Terra. Nada a perder.

Como chopins pretos em um alçapão, nos sujeitamos

a todas as doses e tragamos todo o tabaco que nos foi dado.

No primeiro mês não notei nenhuma diferença clara. Meu

desejo sexual e meu apetite diminuíram ligeiramente, bem

como a minha memória, mas fora isso ainda pensava em torpezas

o tempo todo e Inga também continuava praticamente

ela mesma, com os mesmos vícios e loucuras que a trouxeram

ao cativeiro. Pensamos que talvez nossas almas fossem

atípicas, ou que a falta de comida as estivesse afetando de

alguma maneira, anulando a catarse.

Foi quando Inga tentou se enforcar que comecei a

perceber que quanto mais sofríamos, mais rápido os gases

nos afetavam. Espertamente, provocamo-nos com alguns

gatilhos. Chorei pela falta de memória e pelo mundo que

deixei. Depois, por não saber quem era ou onde estava, se é

que um dia já pertenci a algum lugar. Inga chorou pelos cadáveres

largados na cadeira, que já fediam quase tanto quanto

nossos braços e nos metiam pavor de noite. Nos batíamos,

nos mutilávamos, roíamos a carne um do outro. Com o tem-

po, tornamo-nos indiferentes; resistência no cérebro e calos

nas mãos. A violência foi sendo substituída pela lealdade e o

egoísmo pelo bem mútuo. No verão, tomamos conta de algumas

manchas de umidade na parede e aos corpos putrefatos

cantamos um velório digno. No outono, presenteei Inga

com a minha flor que, embora morta, era a única lembrança

de um passado cada vez mais desconhecido – a serviu de alimento

por algumas horas. No inverno ficamos nús, oferecendo

a roupa do corpo a quem desejasse proteção. Fomos

programados para servir.

• • •

Alguns dias antes de completarmos um ano em observação,

chegou o mês de Brumário. Enfim as crianças não

nos trouxeram nem tabaco e nem formas geométricas, mas

cabines brancas, do tamanho de caixões. Me despedi do meu

corpo, cumprimentei Inga e subi na máquina. Na minha

mente, visões da Liberdade guiando o povo com o mesmo

vigor das primaveras anteriores. Mais do que alforria: a maldita

igualdade que invejamos por séculos. Chegada a hora da

ascensão, minha mente se lançou em deserto ínvio. Repeti o

juramento em obediência ao Mundo Livre. Não posso querer

ser ninguém. Cheia de felicidade, Inga sorriu e escalou a

cabine ao lado. A sala escureceu-se completamente, e ventos

úmidos foram tomando o lugar do ar quente. Depois, luzes

muito fortes voltaram a iluminá-la e com elas acordamos,

talvez dias depois. Flashes de câmeras. A primeira – segundo

as manchetes – de muitas outras redes anímicas teve grande

sucesso. Finalmente deveríamos estar preparados para o

Mundo Livre.

Nossa alma, num enorme banco de dados, voltou a

ser a coroa da criação desde o pecado original e Inga conse-

guiu enxergar um futuro, sem saber se pela primeira vez. Os

novos corpos eram, ao menos, resistentes, deveriam durar

por mais uns duzentos anos. Mas os nervos eram um problema

– estes, sim, enfraqueciam, como antes faziam os nossos

ossos, e nos traziam à mente o tempo todo que éramos

alguém. Ainda que não soubesse exatamente do que sentir

saudades, Inga sabia que dançava. E eu, que jurava me sentir

muito melhor agora, decidi por muito tempo ignorar os

meus nervos. Nunca invoquei a memória de meus antepassados,

mas pensei que estariam de acordo... Almas perfeitas:

e livres! “Mas os nervos...”, dizia Inga. Os nervos sempre nos

lembravam que a violência e o impulso eram nossa perdição

e ainda culpávamos todo o mundo, quando éramos nós os

culpados. Meus nervos que me perdoem, mas estive próximo

de condená-los à morte. Fomos resgatados das Capitanias

e, pela graça salvadora dos nossos líderes, evoluímos

para o Mundo Livre: há memória maior do que essa, Inga?...

Inga?

Levaram-na. A flor que ingeriu era tóxica e a encheu

de memórias. Memórias... a porta de entrada para as piores

crueldades imagináveis, costumavam dizer os mais velhos.

Inga que me perdoe, mas não se pode permitir o medo neste

novo mundo, ainda que o preço da coragem seja derramar

sangue. O Mundo Livre requer sacrifício, obediência e lealdade,

como havíamos prometido. A punição de Inga serviria

de exemplo. Os resquícios de humanidade não deveriam ser

permitidos. São todos pensamentos intrusivos, ilegais e egoístas,

ódio e violência, paixões e erros…

. . . ERROR . . .

INVALID_NAME_EXCEPTION:

DATA “INGA” NOT FOUND

A morte de Inga despertou os meus nervos, e estes,

minha paixão. Foi meu veneno. Me tornei como um filhote

pequeno e sedento – sem memória alguma ou qualquer

tipo de conhecimento, ainda sei que preciso de água pra me

satisfazer. E ferro. Escravo da vontade e com os nervos totalmente

enfraquecidos, me aproximei do corpo de minha

companheira pra dizer adeus. Não há nada a fazer, mas pouco

importa! Com a vergonha de Adão escondendo-se atrás

dos arbustos, vou ao seu encontro. A história da criação se

repete. Sem honras e sem flores, mas em paz (com os nervos).

Para continuar lendo
Clube do Livro

Quer ler esse conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura
Ambiente de Leitura
Voltar ao topo

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora