Maratonista

Fantasia
Outubro de 2019
Começou, agora termina queride!

Ana Machado

Autor
Autora
Organizador
Organizadora
Autor e Organizador
Autora e Organizadora
Editor
Editora
Ilustrador
Ilustradora
Sempre gostei muito de escrever, pois por meio da escrita entendo melhor as coisas ao meu redor e a mim mesma.

Conquista Literária
Conto publicado em
Nas Mãos da Morte

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
Maratonista
0:00
0:00

Sempre estive correndo. Pelo que me lembro, desde os primeiros passos. O ato de correr é algo que realmente aprecio. Estou correndo até mesmo quando estou dormindo; nos sonhos, é claro. Geralmente, são sonhos agradáveis... mas algo estava diferente no sonho mais recente.

Era uma corrida normal e das boas. Estava ganhando. Podia ouvir os passos dos outros concorrentes distantes de mim. Estava na completa liderança. Já podia ver a linha de chegada e pessoas com placas que torciam por mim, porém, em meio à multidão alegre, uma pessoa me chamou a atenção. Ou melhor, uma criatura, um ser que não era para estar lá.

A famosa figura da morte me encarava, segurando um cartaz assim como a sua conhecida foice. Não dava para ver o seu rosto, porém, dava para sentir seu sorriso de ironia e um pouco de humor cruel. O cartaz dizia com letras verdes de zombaria: “Esperando o mais veloz.” Sabia bem a quem estava se referindo. Tentei dar meia-volta na hora, no entanto, fui atropelado por uma multidão de corredores que surgiram do nada, visando a tão sonhada linha de chegada.

Aquela onda de gente empurrava cada vez mais em direção à figura de capuz. Era como se afogar em um mar feito de pessoas. Acordei com a sensação de realmente ter corrido uma maratona. Levantei e lavei meu rosto. Era melhor não voltar a dormir. Vai que acabasse sonhando com a continuação daquele sonho bizarro.

Os dias estavam passando, porém o sonho continuava meio vivo. Quando vi um cartaz anunciando uma maratona, voltaram com toda força as imagens do pesadelo. Algo se agitou dentro de mim. Não participaria daquela corrida. Não poderia participar, mesmo.  Lembrava bem da figura com o cartaz perto da linha.

— Aquiles, não vai correr? Será que tem medo de perder? — Começara a brincadeira de meus colegas devido ao fato de eu não querer participar. No começo, era fácil de encarar, mas depois, exatamente dois dias antes da maratona, aquilo começou realmente a incomodar. Decidi que iria participar apesar dos pesares. Não poderia deixar um sonho me fazer parar de correr. Tentaria não ser o primeiro a chegar, porque, como dizia o cartaz, esperava o mais veloz. Deixaria alguém ganhar o primeiro lugar.

E aqui estou apenas esperando o momento de começar a maratona...


É dado o sinal de largada. Mesmo tentando manter o passo lento, percebo que estou quase na frente. Deixo-me atrasar mais um pouco. Noto que alguns cruzam a linha de chegada e nem sinal da criatura assustadora. Deixo-me relaxar e sigo em frente, e é quando vejo a criatura assustadora com o cartaz com letras verdes. Porém, desta vez a mensagem está diferente: “Esperando o mais cansado.” Novamente, é possível sentir o sorriso ainda mais cheio de ironia dela.

Acelero e passo voando pela linha de chegada. Vou cada vez mais rápido para que ela não possa alcançar, porém, quando olho para trás, a figura continua no mesmo local, segurando de forma paciente o cartaz. Não parece disposta a se mover dali, e parece que sou o único a vê-la.

— Aquiles, para onde está indo? — A voz preocupada de um dos meus colegas de trabalho ficou para trás assim como outras vozes confusas.

— Ei, Aquiles!

Corro, corro e corro. O coração vai acelerando, mas decido não parar. Quando finalmente paro, sinto o cansaço tomar cada célula do corpo. Morro de cansaço. Literalmente.


Prólogo

Epílogo

Conto

Sempre estive correndo. Pelo que me lembro, desde os primeiros passos. O ato de correr é algo que realmente aprecio. Estou correndo até mesmo quando estou dormindo; nos sonhos, é claro. Geralmente, são sonhos agradáveis... mas algo estava diferente no sonho mais recente.

Era uma corrida normal e das boas. Estava ganhando. Podia ouvir os passos dos outros concorrentes distantes de mim. Estava na completa liderança. Já podia ver a linha de chegada e pessoas com placas que torciam por mim, porém, em meio à multidão alegre, uma pessoa me chamou a atenção. Ou melhor, uma criatura, um ser que não era para estar lá.

A famosa figura da morte me encarava, segurando um cartaz assim como a sua conhecida foice. Não dava para ver o seu rosto, porém, dava para sentir seu sorriso de ironia e um pouco de humor cruel. O cartaz dizia com letras verdes de zombaria: “Esperando o mais veloz.” Sabia bem a quem estava se referindo. Tentei dar meia-volta na hora, no entanto, fui atropelado por uma multidão de corredores que surgiram do nada, visando a tão sonhada linha de chegada.

Aquela onda de gente empurrava cada vez mais em direção à figura de capuz. Era como se afogar em um mar feito de pessoas. Acordei com a sensação de realmente ter corrido uma maratona. Levantei e lavei meu rosto. Era melhor não voltar a dormir. Vai que acabasse sonhando com a continuação daquele sonho bizarro.

Os dias estavam passando, porém o sonho continuava meio vivo. Quando vi um cartaz anunciando uma maratona, voltaram com toda força as imagens do pesadelo. Algo se agitou dentro de mim. Não participaria daquela corrida. Não poderia participar, mesmo.  Lembrava bem da figura com o cartaz perto da linha.

— Aquiles, não vai correr? Será que tem medo de perder? — Começara a brincadeira de meus colegas devido ao fato de eu não querer participar. No começo, era fácil de encarar, mas depois, exatamente dois dias antes da maratona, aquilo começou realmente a incomodar. Decidi que iria participar apesar dos pesares. Não poderia deixar um sonho me fazer parar de correr. Tentaria não ser o primeiro a chegar, porque, como dizia o cartaz, esperava o mais veloz. Deixaria alguém ganhar o primeiro lugar.

E aqui estou apenas esperando o momento de começar a maratona...


É dado o sinal de largada. Mesmo tentando manter o passo lento, percebo que estou quase na frente. Deixo-me atrasar mais um pouco. Noto que alguns cruzam a linha de chegada e nem sinal da criatura assustadora. Deixo-me relaxar e sigo em frente, e é quando vejo a criatura assustadora com o cartaz com letras verdes. Porém, desta vez a mensagem está diferente: “Esperando o mais cansado.” Novamente, é possível sentir o sorriso ainda mais cheio de ironia dela.

Acelero e passo voando pela linha de chegada. Vou cada vez mais rápido para que ela não possa alcançar, porém, quando olho para trás, a figura continua no mesmo local, segurando de forma paciente o cartaz. Não parece disposta a se mover dali, e parece que sou o único a vê-la.

— Aquiles, para onde está indo? — A voz preocupada de um dos meus colegas de trabalho ficou para trás assim como outras vozes confusas.

— Ei, Aquiles!

Corro, corro e corro. O coração vai acelerando, mas decido não parar. Quando finalmente paro, sinto o cansaço tomar cada célula do corpo. Morro de cansaço. Literalmente.


Para continuar lendo
Clube do Livro

Quer ler esse conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura
Ambiente de Leitura
Voltar ao topo

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora