Laços distantes

Terror
Maio de 2020
Começou, agora termina queride!

Família Margarina

Conquista Literária
Conto publicado em
Os irmãos da Rua Ímpar

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
Laços distantes
0:00
0:00

— Carlos, você está aqui? — perguntou o psicanalista com seu bloco de notas em mãos.

  — Estou aqui, doutor. Tive apenas um lapso.

  — Entendo... — Michel fez algumas anotações. — Está conseguindo dormir bem?

  — Não muito. Sinto que toda vez que eu durmo, não é apenas um sonho, mas sim uma realidade paralela — Carlos encarou o doutor. — Consigo sentir cada detalhe naquele mundo.

  — Mas o que esse "mundo" quer te contar, Carlos?

  — Não sei, mas sinto a perda de alguma coisa.

  Por um breve instante os dois ficaram em silêncio. Até Michel voltar a falar de novo:

  — Se coisas assim te assustam, talvez você devesse procurar a família. Há alguém de confiança?

  Carlos divagou... seus pensamentos encontraram a única pessoa cuja qual ele depositara toda sua fé: sua irmã do meio, Sophia. Porém, faz anos desde que os dois conversaram ou até mesmo se encontraram. Desde os acontecimentos sobrenaturais na sua infância e posteriormente na adolescência decidiram se distanciarem.

  Mesmo assim, ele tomou coragem para numa manhã de segunda-feira pegar um ônibus direto para a capital, onde Sophia trabalhava — segundo o Instagram. O prédio era bastante grande e várias funcionárias trabalhavam lá.

  Com um sorriso largo no rosto uma delas gentilmente aproximou-se de Carlos:

  — Bom dia, senhor, posso ajudá-lo?

  — Sophia está?

  — Está sim — respondeu ela analisando o rapaz de cima a baixo. — Tem assuntos a tratar?

  — Digamos que sim. — Carlos pôs as mãos no bolso.

  — Siga-me, então, por favor. — A serviu como uma guia, passou por diversos lugares daquela loja até chegar num escritório vazio, mas muito bem arrumado. — Pode aguardar aqui, senhor?

  — Claro — respondeu Carlos, olhando ao seu redor, impressionado com a arrumação do local.

  Sentado numa poltrona, ele esperou por alguns poucos minutos, distraído por um quadro da renascença. Então, uma voz doce chamou sua atenção para a porta. Sua irmã finalmente apareceu! A mesma havia mudado muito desde a última vez que os dois se viram, agora, era de fato, uma mulher. Sua postura de chefe de negócios fez Carlos levantar-se no mesmo instante. Os dois estavam paralisados frente a frente, nenhum sabia como começar, dados os devidos acontecimentos passados.

  — Você aqui? – ela falou, ainda na porta.

  — Não vai me dar um abraço antes? – Ele abriu os braços com um sorriso brilhante.

  — Claro, seu idiota – ela respondeu. Mesmo com salto alto, correu pela sala como se estivesse descalça e abraçou o irmão bem forte. Seus olhos encheram-se de lágrimas. Memórias vieram a sua mente, fazendo-a aproveitar ainda mais o momento. — Senti tanto a sua falta.

  — Eu também.

  Os dois conversaram bastante sobre a vida e outras coisas pífias do dia a dia. Até pautas mais sérias serem expostas:

  — Sophia, preciso te falar algo importante. O real motivo da minha vinda...

  — Já imagino o que seja – respondeu ela. Suas mãos estavam cruzadas e seu olhar distante.

  — Então você sabe.

  — Começou faz mais de uma semana. Parecia um sonho mas não era. Foi aí que vi aquela coisa... me chamando. – Sophia olhou para o irmão sem piscar. — Sinto algo ruim.

  — E Hugo? Conseguiu falar com ele?

  — Tentei ligar, mas só dá caixa postal. Ainda não tive tempo de ir visitá-lo.

  — Onde ele mora? – Carlos levantou-se. — Precisamos ir lá agora!

  — Calma, vou com você. Estou de carro.

  O celta vermelho cortou a cidade numa velocidade invejável. Passaram por pontos turísticos, multidões, prédios abandonados... Cada distância percorrida era uma eternidade para o tanto de pressa que os dois tinham. Por fim, chegaram.

  — É aqui? – perguntou Carlos ao ver o estado degradante da casa. Coberta por musgos e caindo aos pedaços.

  — É sim. Muitas coisas aconteceram desde que você sumiu, irmãozão.

  Ambos saíram do carro e foram para a porta da frente da casa. Bateram com força para chamar atenção, mas era como se ninguém morasse ali há anos.

  — Eu dou um jeito. — Sophia pôs a mão na terra de um dos vasos com plantas que enfeitavam o lugar. Mexeu por um tempo até tirar da terra uma chave. — Hugo não sabe dessa cópia. Nem imagino o que ele faria se soubesse... por isso escondi aqui.

  Sem grande esforço a porta de madeira foi aberta. Ao acender o interruptor, os dois deram de cara com móveis revirados, roupas pelo chão, alimentos estragados e outras sujeiras.

  — Hugo! — gritou Sophia.

  Não havia ninguém mesmo, o que fez a preocupação aumentar.

  — Se ele não está aqui, só resta um lugar — disse Carlos.

  — Na rua par? Por favor, não...

  — Sim. E só há um jeito de ir para lá.

  Os dois deitaram-se num enorme colchão velho do único quarto da minúscula residência. Ao fechar os olhos, puseram em seus pensamentos uma luz de esperança, com fé de encontrarem o irmão perdido. Carlos sentiu seus olhos pesarem e logo ouviu um sussurro no seu ouvido. Uma voz clamava por ele, pedindo para o mesmo acordar. Seus olhos abriram novamente. Porém, agora, o lugar não era o mesmo, ele estava deitado numa rua escura, com casas em preto por todo o redor.

  — Sophia! — gritou o irmão mais velho desesperado.

  De repente, algumas sombras em formas humanóides saíram das casas. O barulho chamou a atenção delas que, de forma lenta, caminharam para perto de Carlos.

  — Aqui! — Sophia respondeu por trás de um dos postes.

 

  Seu irmão a acompanhou, deixando as sombras para trás.

  — Não chegue perto dessas coisas — advertiu Sophia.

  — Nem precisa lembrar. — Carlos olhou para a cicatriz no braço esquerdo da irmã e relembrou, por um instante, a cena cuja qual algumas sombras encurralaram-a e sugaram sua energia vital.

  Os dois andaram alguns minutos, enquanto o vento frio batia em seus rostos. Então, pararam em frente a uma enorme casa de pintura branca, a única diferente de todas as outras. A casa da infância sombria deles.

  — Prometemos nunca mais vir aqui — disse Sophia.

  — Eu sei.

  Dentro da inusitada casa tinham alguns móveis de época bem desgastados. Era como se o tempo não tivesse passado ali, tornando tudo reconhecível. Ajoelhado no centro da grande sala de estar, estava Hugo, com as mãos juntas.

  — Hugo! — gritou Sophia antes de ir abraçá-lo. — O que tá fazendo aqui?!

  — Não temos tempo! Segure na mão dele, feche os olhos e vamos começar a despertar — ordenou Carlos. — Nosso outro irmão está aqui.

  Um grito, quase como um rugido, ecoou por cada canto daquela sala, tomado por uma aura densa e pesada.

  — Sophia!

  — Tô tentando me concentrar, Carlos!

  Surgiu uma fumaça preta diante dos três e formou-se ali a fisionomia do quarto irmão; este idêntico a Hugo falou:

  — Quanto tempo, meus queridos irmãos!

  Sophia abriu os olhos e percebeu que já estava na casa de Hugo, novamente. Para seu alívio, o caçula estava lá.

   — Onde estou? — perguntou ele atordoado.

   — A salvo, Hugo — respondeu, ela. — Nunca mais voltaremos para lá, não é Carlos?

   — Carlos? — indagou Hugo. — Só estamos nós dois aqui.

Prólogo

Epílogo

Conto

— Carlos, você está aqui? — perguntou o psicanalista com seu bloco de notas em mãos.

  — Estou aqui, doutor. Tive apenas um lapso.

  — Entendo... — Michel fez algumas anotações. — Está conseguindo dormir bem?

  — Não muito. Sinto que toda vez que eu durmo, não é apenas um sonho, mas sim uma realidade paralela — Carlos encarou o doutor. — Consigo sentir cada detalhe naquele mundo.

  — Mas o que esse "mundo" quer te contar, Carlos?

  — Não sei, mas sinto a perda de alguma coisa.

  Por um breve instante os dois ficaram em silêncio. Até Michel voltar a falar de novo:

  — Se coisas assim te assustam, talvez você devesse procurar a família. Há alguém de confiança?

  Carlos divagou... seus pensamentos encontraram a única pessoa cuja qual ele depositara toda sua fé: sua irmã do meio, Sophia. Porém, faz anos desde que os dois conversaram ou até mesmo se encontraram. Desde os acontecimentos sobrenaturais na sua infância e posteriormente na adolescência decidiram se distanciarem.

  Mesmo assim, ele tomou coragem para numa manhã de segunda-feira pegar um ônibus direto para a capital, onde Sophia trabalhava — segundo o Instagram. O prédio era bastante grande e várias funcionárias trabalhavam lá.

  Com um sorriso largo no rosto uma delas gentilmente aproximou-se de Carlos:

  — Bom dia, senhor, posso ajudá-lo?

  — Sophia está?

  — Está sim — respondeu ela analisando o rapaz de cima a baixo. — Tem assuntos a tratar?

  — Digamos que sim. — Carlos pôs as mãos no bolso.

  — Siga-me, então, por favor. — A serviu como uma guia, passou por diversos lugares daquela loja até chegar num escritório vazio, mas muito bem arrumado. — Pode aguardar aqui, senhor?

  — Claro — respondeu Carlos, olhando ao seu redor, impressionado com a arrumação do local.

  Sentado numa poltrona, ele esperou por alguns poucos minutos, distraído por um quadro da renascença. Então, uma voz doce chamou sua atenção para a porta. Sua irmã finalmente apareceu! A mesma havia mudado muito desde a última vez que os dois se viram, agora, era de fato, uma mulher. Sua postura de chefe de negócios fez Carlos levantar-se no mesmo instante. Os dois estavam paralisados frente a frente, nenhum sabia como começar, dados os devidos acontecimentos passados.

  — Você aqui? – ela falou, ainda na porta.

  — Não vai me dar um abraço antes? – Ele abriu os braços com um sorriso brilhante.

  — Claro, seu idiota – ela respondeu. Mesmo com salto alto, correu pela sala como se estivesse descalça e abraçou o irmão bem forte. Seus olhos encheram-se de lágrimas. Memórias vieram a sua mente, fazendo-a aproveitar ainda mais o momento. — Senti tanto a sua falta.

  — Eu também.

  Os dois conversaram bastante sobre a vida e outras coisas pífias do dia a dia. Até pautas mais sérias serem expostas:

  — Sophia, preciso te falar algo importante. O real motivo da minha vinda...

  — Já imagino o que seja – respondeu ela. Suas mãos estavam cruzadas e seu olhar distante.

  — Então você sabe.

  — Começou faz mais de uma semana. Parecia um sonho mas não era. Foi aí que vi aquela coisa... me chamando. – Sophia olhou para o irmão sem piscar. — Sinto algo ruim.

  — E Hugo? Conseguiu falar com ele?

  — Tentei ligar, mas só dá caixa postal. Ainda não tive tempo de ir visitá-lo.

  — Onde ele mora? – Carlos levantou-se. — Precisamos ir lá agora!

  — Calma, vou com você. Estou de carro.

  O celta vermelho cortou a cidade numa velocidade invejável. Passaram por pontos turísticos, multidões, prédios abandonados... Cada distância percorrida era uma eternidade para o tanto de pressa que os dois tinham. Por fim, chegaram.

  — É aqui? – perguntou Carlos ao ver o estado degradante da casa. Coberta por musgos e caindo aos pedaços.

  — É sim. Muitas coisas aconteceram desde que você sumiu, irmãozão.

  Ambos saíram do carro e foram para a porta da frente da casa. Bateram com força para chamar atenção, mas era como se ninguém morasse ali há anos.

  — Eu dou um jeito. — Sophia pôs a mão na terra de um dos vasos com plantas que enfeitavam o lugar. Mexeu por um tempo até tirar da terra uma chave. — Hugo não sabe dessa cópia. Nem imagino o que ele faria se soubesse... por isso escondi aqui.

  Sem grande esforço a porta de madeira foi aberta. Ao acender o interruptor, os dois deram de cara com móveis revirados, roupas pelo chão, alimentos estragados e outras sujeiras.

  — Hugo! — gritou Sophia.

  Não havia ninguém mesmo, o que fez a preocupação aumentar.

  — Se ele não está aqui, só resta um lugar — disse Carlos.

  — Na rua par? Por favor, não...

  — Sim. E só há um jeito de ir para lá.

  Os dois deitaram-se num enorme colchão velho do único quarto da minúscula residência. Ao fechar os olhos, puseram em seus pensamentos uma luz de esperança, com fé de encontrarem o irmão perdido. Carlos sentiu seus olhos pesarem e logo ouviu um sussurro no seu ouvido. Uma voz clamava por ele, pedindo para o mesmo acordar. Seus olhos abriram novamente. Porém, agora, o lugar não era o mesmo, ele estava deitado numa rua escura, com casas em preto por todo o redor.

  — Sophia! — gritou o irmão mais velho desesperado.

  De repente, algumas sombras em formas humanóides saíram das casas. O barulho chamou a atenção delas que, de forma lenta, caminharam para perto de Carlos.

  — Aqui! — Sophia respondeu por trás de um dos postes.

 

  Seu irmão a acompanhou, deixando as sombras para trás.

  — Não chegue perto dessas coisas — advertiu Sophia.

  — Nem precisa lembrar. — Carlos olhou para a cicatriz no braço esquerdo da irmã e relembrou, por um instante, a cena cuja qual algumas sombras encurralaram-a e sugaram sua energia vital.

  Os dois andaram alguns minutos, enquanto o vento frio batia em seus rostos. Então, pararam em frente a uma enorme casa de pintura branca, a única diferente de todas as outras. A casa da infância sombria deles.

  — Prometemos nunca mais vir aqui — disse Sophia.

  — Eu sei.

  Dentro da inusitada casa tinham alguns móveis de época bem desgastados. Era como se o tempo não tivesse passado ali, tornando tudo reconhecível. Ajoelhado no centro da grande sala de estar, estava Hugo, com as mãos juntas.

  — Hugo! — gritou Sophia antes de ir abraçá-lo. — O que tá fazendo aqui?!

  — Não temos tempo! Segure na mão dele, feche os olhos e vamos começar a despertar — ordenou Carlos. — Nosso outro irmão está aqui.

  Um grito, quase como um rugido, ecoou por cada canto daquela sala, tomado por uma aura densa e pesada.

  — Sophia!

  — Tô tentando me concentrar, Carlos!

  Surgiu uma fumaça preta diante dos três e formou-se ali a fisionomia do quarto irmão; este idêntico a Hugo falou:

  — Quanto tempo, meus queridos irmãos!

  Sophia abriu os olhos e percebeu que já estava na casa de Hugo, novamente. Para seu alívio, o caçula estava lá.

   — Onde estou? — perguntou ele atordoado.

   — A salvo, Hugo — respondeu, ela. — Nunca mais voltaremos para lá, não é Carlos?

   — Carlos? — indagou Hugo. — Só estamos nós dois aqui.

Para continuar lendo
Clube do Livro

Quer ler esse conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura
Ambiente de Leitura
Voltar ao topo

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora