Começou, agora termina queride!

Conquista Literária
Conto publicado em
Mirage: Miscelanea de Narrativas Irreais vol. 01

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
Inconsciente
0:00
0:00

Todos adoram quando surge uma notícia boa, como o início das obras de

revitalização de parques que foram esquecidos ao longo do tempo pela prefeitura.

Porém, deixam de adorar quando a empreiteira responsável e suas escavadeiras chegaram

revirando o solo e trazendo à tona segredos obscuros há muito tempo adormecidos.

Quem mais temia em ser descoberto não tinha conhecimento algum do que

estava acontecendo, jazia inconsciente no leito de um hospital havia alguns meses

após um trauma cranioencefálico.

A visão, de onde me encontrava, era como tivesse mergulhado para dentro de um

dos programas da Discovery sobre o pantanal, com a exceção de alguns detalhes peculiares.

A embarcação por qual estava sentado era uma gôndola e seu gondoleiro trajava uma roupa

diferente do convencional, terno e cartola de um amarelo vibrante. Até aquele instante não

havia reparado que deixara de cantarolar para si e dirigido a palavra para mim.

— Como? Perdão, não prestei atenção ao que disse.

— Se fosse mais atento, tudo poderia estar sendo diferente agora.

— O que quer dizer com isso?

— Você deve, lá no fundo, saber muito bem do que estou falando. Não há nada de

mim que você possa esconder.

— Onde estou? Faz tempo que não converso com alguém.

— Com certeza! Ainda não faz ideia do que aconteceu?

— Momento atrás estava... Não consigo recordar, mas estou aqui, neste pantanal...

— Pântano!

— Claro, desculpa! Devo estar sonhando... – Balbuciei. — Não iria querer viajar até

um lugar como esse...

— Tão inocente, não? Não, mas para esse quesito, talvez. – Soltou uma gargalhada,

virando seu rosto para me encarar, enquanto aproveitava para ver seu semblante: tufos de

cabelo ruivo saiam debaixo da cartola, o cavanhaque e bigode espetados da mesma cor, e seus

olhos eram tomados por um breu profundo. — Não se lembra da última vez que teve consciência

de estar vivo?

— Estou vivo! – Gritei.

Ficara quieto após ter me sobressaltado. Não conseguia entender por que falava

em incógnitas, era difícil de comunicar de forma objetiva e direta. Retornou a cantarolar em

uma língua incompreensível para mim e aproveitei o instante para observar o local que me

cercava. Pendurados nos galhos das árvores estavam diversos ossos; ao longo do “rio” estacas

de madeiras sustentavam labaredas, que só agora havia reparado como ali seria escuro sem

elas; e aquele cheiro de carne queimando causava-me uma sensação de déjà vu.

Por um dos corredores da ala leste do hospital era possível escutar os murmúrios

das fofocas oriundas da copa. A notícia, que havia chegado que nem furacão,

foi que o chefe de polícia estava naquele momento com o conselho do hospital indiciando

um dos pacientes, que encontrava-se em coma, como culpado pelo assassinato

a quem pertencia os ossos carbonizados encontrados meses atrás enterrado em um

dos parques da cidade.

— É impossível que tenha sido ele. – Afirmou uma das enfermeiras enquanto

bebericava um pouco do seu café quente.

— Por que diz isso? Acabou se afeiçoando por cuidar dele desde sua chegada?

Sabe que ele não pertence a essa cidade, encaixa com o perfil que a mídia vem

mostrando, logo mais estarão lá na frente querendo uma declaração.

— Quem está no limbo são pessoas sem pecados, que nunca foram batizadas.

Pobre alma!

— Guadalupe, o homem está em coma, a polícia tem provas... Esqueça essa

história de limbo. Isso não existe. Ele não é inocente...

Prólogo

Epílogo

Conto

Todos adoram quando surge uma notícia boa, como o início das obras de

revitalização de parques que foram esquecidos ao longo do tempo pela prefeitura.

Porém, deixam de adorar quando a empreiteira responsável e suas escavadeiras chegaram

revirando o solo e trazendo à tona segredos obscuros há muito tempo adormecidos.

Quem mais temia em ser descoberto não tinha conhecimento algum do que

estava acontecendo, jazia inconsciente no leito de um hospital havia alguns meses

após um trauma cranioencefálico.

A visão, de onde me encontrava, era como tivesse mergulhado para dentro de um

dos programas da Discovery sobre o pantanal, com a exceção de alguns detalhes peculiares.

A embarcação por qual estava sentado era uma gôndola e seu gondoleiro trajava uma roupa

diferente do convencional, terno e cartola de um amarelo vibrante. Até aquele instante não

havia reparado que deixara de cantarolar para si e dirigido a palavra para mim.

— Como? Perdão, não prestei atenção ao que disse.

— Se fosse mais atento, tudo poderia estar sendo diferente agora.

— O que quer dizer com isso?

— Você deve, lá no fundo, saber muito bem do que estou falando. Não há nada de

mim que você possa esconder.

— Onde estou? Faz tempo que não converso com alguém.

— Com certeza! Ainda não faz ideia do que aconteceu?

— Momento atrás estava... Não consigo recordar, mas estou aqui, neste pantanal...

— Pântano!

— Claro, desculpa! Devo estar sonhando... – Balbuciei. — Não iria querer viajar até

um lugar como esse...

— Tão inocente, não? Não, mas para esse quesito, talvez. – Soltou uma gargalhada,

virando seu rosto para me encarar, enquanto aproveitava para ver seu semblante: tufos de

cabelo ruivo saiam debaixo da cartola, o cavanhaque e bigode espetados da mesma cor, e seus

olhos eram tomados por um breu profundo. — Não se lembra da última vez que teve consciência

de estar vivo?

— Estou vivo! – Gritei.

Ficara quieto após ter me sobressaltado. Não conseguia entender por que falava

em incógnitas, era difícil de comunicar de forma objetiva e direta. Retornou a cantarolar em

uma língua incompreensível para mim e aproveitei o instante para observar o local que me

cercava. Pendurados nos galhos das árvores estavam diversos ossos; ao longo do “rio” estacas

de madeiras sustentavam labaredas, que só agora havia reparado como ali seria escuro sem

elas; e aquele cheiro de carne queimando causava-me uma sensação de déjà vu.

Por um dos corredores da ala leste do hospital era possível escutar os murmúrios

das fofocas oriundas da copa. A notícia, que havia chegado que nem furacão,

foi que o chefe de polícia estava naquele momento com o conselho do hospital indiciando

um dos pacientes, que encontrava-se em coma, como culpado pelo assassinato

a quem pertencia os ossos carbonizados encontrados meses atrás enterrado em um

dos parques da cidade.

— É impossível que tenha sido ele. – Afirmou uma das enfermeiras enquanto

bebericava um pouco do seu café quente.

— Por que diz isso? Acabou se afeiçoando por cuidar dele desde sua chegada?

Sabe que ele não pertence a essa cidade, encaixa com o perfil que a mídia vem

mostrando, logo mais estarão lá na frente querendo uma declaração.

— Quem está no limbo são pessoas sem pecados, que nunca foram batizadas.

Pobre alma!

— Guadalupe, o homem está em coma, a polícia tem provas... Esqueça essa

história de limbo. Isso não existe. Ele não é inocente...

Para continuar lendo
Clube do Livro

Quer ler esse conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura
Ambiente de Leitura
Voltar ao topo

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora