Cíclico

Afrofuturismo
Novembro de 2020
Começou, agora termina queride!

Conquista Literária
Conto publicado em
Os filhos de Amanaram

Sinopse

Estamos preparando e revisando este conto, em breve o publicaremos aqui. :D

Do resquício da história, uma descoberta que envolve ciência e uma força divina que se sente na pele. Na cidade de Amanaram, oásis de tecnologia, acontece uma narrativa de Deuses, genética e esperança. O que se esconde por trás da Chuva que transforma a todos daquela cidade?

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
Cíclico
0:00
0:00

Ele chegou de noite à cidade de Amanaram.Um vento quente cortava o ar e sua pele negra sentia calor, mas um arrepio odeixou em alerta. Apertou forte suas guias e entrou no carro. Antes de entrar nacidade, pediu licença à Ogum para abrir os caminhos. Enfim, cruzou a estrada eo vento parou.

Dentro da cidade ficou abismado com o que viu. Prédiosmodernos, com células fotovoltaicas cobrindo as paredes. Postes solares iluminavamas ruas onde carros elétricos silenciosamente passavam. Algumas casastradicionais destoavam da paisagem futurística. Em uma delas, havia uma placaonde se lia: “Hospedaria”. Era um local simples. Paredes brancas e um balcãocom uma pequena sineta. Ele tocou três vezes, mas ninguém apareceu. Já estava partindo,quando uma voz o chamou:

- Olá! Eu estava preparando um café.

Era uma mulher de extraordinária beleza. De cabeloscom cachos volumosos e pele tão escura quanto a sua. Usava um vestido com umdecote que revelava um colo firme. Uma rajada de vento levantou parte dovestido, revelando pernas torneadas. Ela ficou rubra e disfarçou, dizendo:

– Meu nome é Ayo. Ficará quantosdias?

– Ayo – ele murmurou, lembrandoas aulas de idioma com sua avó.

– Ah sim,ALEGRIA – ela retrucou – Minha família mantém as tradições. Sou uma orgulhosabisneta de reis, transformados em escravos nessa terra.

– Sei como é! Meu nome é Akia. Souo primogênito de sete irmãos e meus antepassados também eram reis e escravos, assimcomo os seus.

Ayo ficou impressionada com o charme daquele homem.Devia ter uns 35 anos e tinha uma beleza definida por traços masculinos e corpoesbelto.

– Akia, bonito nome. Quantos diasvai ficar?

– Não sei. Uns 20, acho. Recebiuma oferta de trabalho. “Cinects” conhece?

– Lógico, são os donos da cidade,salvo essa hospedagem e algumas outras casas. Estabeleceram-se após a ChuvaDivina. Você conhece a história da nossa cidade?

Não, ele não sabia de nada. Estava ali para o novoemprego. Ele era um cientista especializado em mutações, formado nas melhoresinstituições do mundo. Para ele tudo era mutável e era isso o que ele maisgostava no seu trabalho.

A mulher trouxe duas canecas de café e começou afalar sobre a cidade.

Akia não conseguia prestar atenção no que ela falava,tamanho o fascínio que ela exercia. Nunca havia sentindo isso antes, ele pensou.Voltando desse mundo de arrebatamento, ele começou a prestar atenção. Amanaram,a cidade que há 100 anos despontou como um oásis de modernidade. Tudo por causada Criança e da Chuva Divina. Ela parou de falar. Dois homensentraram na hospedagem e falaram com Akia:

– Estávamoslhe esperando. Somos da Cinects. Seu aposento já está pronto para lhe receber.Temos 30 minutos antes da Chuva começar e precisamos estar abrigados.

Akia percebeu que não adiantaria relutar e partiucom os homens, não sem antes lançar um olhar para Ayo. “Espere, tenho que pagara moça.” Ele estendeu sua mão com o dinheiro para Ayo, que discretamente lhepassou um bilhete.

Já na sede da Cinects, Akia percebeu que estava emum laboratório de alta tecnologia. Já sozinho no seu aposento leu o bilhete: “Ladoerrado. Cuidado.” Akia achou tudo aquilo estranho, mas dormiu, cansado dasnovidades.

Acordou de manhã, tomou um banho e foiprocurar alguém para lhe dar instruções. Duas pessoas o interceptaram com umsorriso. Disseram para ele tomar o café e depois se dirigir a Ala Leste, ondeestariam esperando por ele. Após o café, Akia se arrumou e foi para onde oesperavam. Um grande laboratório com cabines assépticas de alta segurança. Oscientistas lhe deram as primeiras instruções e Akia logo estava na sua cabine, começandoseu trabalho.

           “Que pesquisa fantástica”, elepensou, envolvido nos detalhes do trabalho. A Cinects havia descoberto averdade sobre aquela chuva, que era composta por nano-partículas com acapacidade de alterar o genoma do ser humano, inserindo novos e desconhecidos genes.A população era um experimento a céu aberto! Quase a metade sucumbia, poisalgumas mutações eram incompatíveis com a vida, no entanto, os que sobreviviam absorviamos novos códigos e se tornavam especiais, com características ainda nãoreveladas. A empresa estudava esses indivíduos, extraindo informações. Uma novaclasse de humanos estava sendo desenvolvida, devido à estranha chuva. Akiaestava tão maravilhado que passou semanas absorto em sua pesquisa.

Após três meses, Akia se sentiu fraco. Eleprecisava tomar sol. Pediu um dia de folga e saiu à rua, pela primeira vezdeste que tinha chegado. Por algum motivo, só pensava em Ayo.

Foi andando e quando reparou estava dianteda hospedagem, que estava com um cartaz de desapropriação preso à porta. Eledeu a volta pela casa e viu uma trilha para a mata. Seguindo a trilha, Akia chegoua uma clareira. Ouviu vozes e se escondeu. Logo, um grupo de 20 pessoas chegoue eles começaram a entoar cânticos e dançar rodopiando. Alguns caíram em transee incorporavam antigos espíritos. Ayo estava lá e era reverenciada por todos. Ayopediu silêncio e começou a falar:

– Venha. – ela disse olhando nadireção onde Akia se escondia. – Não tenha medo. Somos o povo da luz, descendentesdo mesmo sangue e em sintonia com os antigos Deuses. Precisamos falar com você.Você tem o coração puro, mas está encantado pela tecnologia. Para quebrar essefeitiço, você tem que ver com seus olhos! Volte e procure o que está abaixo devocê!

Ayo saiu do transe. Eles ouviram vozes que seaproximavam e todos se dispersaram. Akia e Ayo correram para os fundos da casa,onde havia um alçapão que dava acesso a um antigo túnel. Lá ficaram em silêncioaté tudo ficar calmo. Akia sabia o que tinha que fazer e despedindo-se de Ayocom um abraço, correu para a Cinects.

Quando chegou, ele foi para escada de emergência edesceu quatro andares. A porta estava trancada, mas ele abriu com seu canivete.Dentro de uma sala, centenas de cápsulas de criogenia. Os habitantes da cidadeestavam sendo congelados e usados para as experiências. Essa era a origem nomaterial genético que ele estudava! Atônito, ouviu um alarme tocar. Quatroguardas saíram do elevador e Akia aproveitou para entrar antes que as portasfechassem. Ele conseguiu fugir antes que notassem sua ausência.

Foi procurar Ayo e contou o que tinha visto. Eladisse que desconfiava, pois havia boatos sobre um contrato de uso livre emexperimentos que alguns cidadãos assinavam. Já era noite e eles ouviramsirenes. Correram para o alçapão e fugiram pelos corredores. As paredes úmidas pelaChuva Divina molhavam seus corpos. Exaustos, pararam para descansar. Depois deum tempo fez-se o silêncio. Eles se olharam e se beijaram, em um encontro longoe sedento.

Debaixoda cidade, abrigados nos velhos túneis usados nas fugas durante a escravidão, Akiae Ayo se entregaram e se amaram. Ela logo percebeu algo sublime dentro dela e asemente agora fecunda tomou força e pulsou.

Um novo ciclo.

Uma nova Criança Divina, filha de reis eancestral dos escravos.

E o que estaria por vir, somente os Deusessabiam!

Sinopse

Estamos preparando e revisando este conto, em breve o publicaremos aqui. :D

Do resquício da história, uma descoberta que envolve ciência e uma força divina que se sente na pele. Na cidade de Amanaram, oásis de tecnologia, acontece uma narrativa de Deuses, genética e esperança. O que se esconde por trás da Chuva que transforma a todos daquela cidade?

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
Cíclico
0:00
0:00

Ele chegou de noite à cidade de Amanaram.Um vento quente cortava o ar e sua pele negra sentia calor, mas um arrepio odeixou em alerta. Apertou forte suas guias e entrou no carro. Antes de entrar nacidade, pediu licença à Ogum para abrir os caminhos. Enfim, cruzou a estrada eo vento parou.

Dentro da cidade ficou abismado com o que viu. Prédiosmodernos, com células fotovoltaicas cobrindo as paredes. Postes solares iluminavamas ruas onde carros elétricos silenciosamente passavam. Algumas casastradicionais destoavam da paisagem futurística. Em uma delas, havia uma placaonde se lia: “Hospedaria”. Era um local simples. Paredes brancas e um balcãocom uma pequena sineta. Ele tocou três vezes, mas ninguém apareceu. Já estava partindo,quando uma voz o chamou:

- Olá! Eu estava preparando um café.

Era uma mulher de extraordinária beleza. De cabeloscom cachos volumosos e pele tão escura quanto a sua. Usava um vestido com umdecote que revelava um colo firme. Uma rajada de vento levantou parte dovestido, revelando pernas torneadas. Ela ficou rubra e disfarçou, dizendo:

– Meu nome é Ayo. Ficará quantosdias?

– Ayo – ele murmurou, lembrandoas aulas de idioma com sua avó.

– Ah sim,ALEGRIA – ela retrucou – Minha família mantém as tradições. Sou uma orgulhosabisneta de reis, transformados em escravos nessa terra.

– Sei como é! Meu nome é Akia. Souo primogênito de sete irmãos e meus antepassados também eram reis e escravos, assimcomo os seus.

Ayo ficou impressionada com o charme daquele homem.Devia ter uns 35 anos e tinha uma beleza definida por traços masculinos e corpoesbelto.

– Akia, bonito nome. Quantos diasvai ficar?

– Não sei. Uns 20, acho. Recebiuma oferta de trabalho. “Cinects” conhece?

– Lógico, são os donos da cidade,salvo essa hospedagem e algumas outras casas. Estabeleceram-se após a ChuvaDivina. Você conhece a história da nossa cidade?

Não, ele não sabia de nada. Estava ali para o novoemprego. Ele era um cientista especializado em mutações, formado nas melhoresinstituições do mundo. Para ele tudo era mutável e era isso o que ele maisgostava no seu trabalho.

A mulher trouxe duas canecas de café e começou afalar sobre a cidade.

Akia não conseguia prestar atenção no que ela falava,tamanho o fascínio que ela exercia. Nunca havia sentindo isso antes, ele pensou.Voltando desse mundo de arrebatamento, ele começou a prestar atenção. Amanaram,a cidade que há 100 anos despontou como um oásis de modernidade. Tudo por causada Criança e da Chuva Divina. Ela parou de falar. Dois homensentraram na hospedagem e falaram com Akia:

– Estávamoslhe esperando. Somos da Cinects. Seu aposento já está pronto para lhe receber.Temos 30 minutos antes da Chuva começar e precisamos estar abrigados.

Akia percebeu que não adiantaria relutar e partiucom os homens, não sem antes lançar um olhar para Ayo. “Espere, tenho que pagara moça.” Ele estendeu sua mão com o dinheiro para Ayo, que discretamente lhepassou um bilhete.

Já na sede da Cinects, Akia percebeu que estava emum laboratório de alta tecnologia. Já sozinho no seu aposento leu o bilhete: “Ladoerrado. Cuidado.” Akia achou tudo aquilo estranho, mas dormiu, cansado dasnovidades.

Acordou de manhã, tomou um banho e foiprocurar alguém para lhe dar instruções. Duas pessoas o interceptaram com umsorriso. Disseram para ele tomar o café e depois se dirigir a Ala Leste, ondeestariam esperando por ele. Após o café, Akia se arrumou e foi para onde oesperavam. Um grande laboratório com cabines assépticas de alta segurança. Oscientistas lhe deram as primeiras instruções e Akia logo estava na sua cabine, começandoseu trabalho.

           “Que pesquisa fantástica”, elepensou, envolvido nos detalhes do trabalho. A Cinects havia descoberto averdade sobre aquela chuva, que era composta por nano-partículas com acapacidade de alterar o genoma do ser humano, inserindo novos e desconhecidos genes.A população era um experimento a céu aberto! Quase a metade sucumbia, poisalgumas mutações eram incompatíveis com a vida, no entanto, os que sobreviviam absorviamos novos códigos e se tornavam especiais, com características ainda nãoreveladas. A empresa estudava esses indivíduos, extraindo informações. Uma novaclasse de humanos estava sendo desenvolvida, devido à estranha chuva. Akiaestava tão maravilhado que passou semanas absorto em sua pesquisa.

Após três meses, Akia se sentiu fraco. Eleprecisava tomar sol. Pediu um dia de folga e saiu à rua, pela primeira vezdeste que tinha chegado. Por algum motivo, só pensava em Ayo.

Foi andando e quando reparou estava dianteda hospedagem, que estava com um cartaz de desapropriação preso à porta. Eledeu a volta pela casa e viu uma trilha para a mata. Seguindo a trilha, Akia chegoua uma clareira. Ouviu vozes e se escondeu. Logo, um grupo de 20 pessoas chegoue eles começaram a entoar cânticos e dançar rodopiando. Alguns caíram em transee incorporavam antigos espíritos. Ayo estava lá e era reverenciada por todos. Ayopediu silêncio e começou a falar:

– Venha. – ela disse olhando nadireção onde Akia se escondia. – Não tenha medo. Somos o povo da luz, descendentesdo mesmo sangue e em sintonia com os antigos Deuses. Precisamos falar com você.Você tem o coração puro, mas está encantado pela tecnologia. Para quebrar essefeitiço, você tem que ver com seus olhos! Volte e procure o que está abaixo devocê!

Ayo saiu do transe. Eles ouviram vozes que seaproximavam e todos se dispersaram. Akia e Ayo correram para os fundos da casa,onde havia um alçapão que dava acesso a um antigo túnel. Lá ficaram em silêncioaté tudo ficar calmo. Akia sabia o que tinha que fazer e despedindo-se de Ayocom um abraço, correu para a Cinects.

Quando chegou, ele foi para escada de emergência edesceu quatro andares. A porta estava trancada, mas ele abriu com seu canivete.Dentro de uma sala, centenas de cápsulas de criogenia. Os habitantes da cidadeestavam sendo congelados e usados para as experiências. Essa era a origem nomaterial genético que ele estudava! Atônito, ouviu um alarme tocar. Quatroguardas saíram do elevador e Akia aproveitou para entrar antes que as portasfechassem. Ele conseguiu fugir antes que notassem sua ausência.

Foi procurar Ayo e contou o que tinha visto. Eladisse que desconfiava, pois havia boatos sobre um contrato de uso livre emexperimentos que alguns cidadãos assinavam. Já era noite e eles ouviramsirenes. Correram para o alçapão e fugiram pelos corredores. As paredes úmidas pelaChuva Divina molhavam seus corpos. Exaustos, pararam para descansar. Depois deum tempo fez-se o silêncio. Eles se olharam e se beijaram, em um encontro longoe sedento.

Debaixoda cidade, abrigados nos velhos túneis usados nas fugas durante a escravidão, Akiae Ayo se entregaram e se amaram. Ela logo percebeu algo sublime dentro dela e asemente agora fecunda tomou força e pulsou.

Um novo ciclo.

Uma nova Criança Divina, filha de reis eancestral dos escravos.

E o que estaria por vir, somente os Deusessabiam!

Para continuar lendo
Clube do Livro

Quer ler esse conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Entre no clube

Um mês com muito Sci-fi

Para amantes de sci-fi esse mês temos dois incríveis contos originais e um resgate separada especialmente pra vocês pelo nosso editor Fabrício Corradini.

Entre no clube

Tempo, escolha, mistério e econtros nada foge o fim.

Durante toda vida, duas coisas acontecem constantemente, o tempo e as escolhas que tomamos, e uma semore interfere na outra, mas o final esse não da para escolher nem adiar o tempo.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura
Ambiente de Leitura
Voltar ao topo

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora