Audiência (c)ativa

Sci-Fi
Começou, agora termina queride!

Conquista Literária
Conto publicado em
ACID NEON: Narrativas de um futuro próximo vol. 01

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
Audiência (c)ativa
0:00
0:00

Sob as luzes exageradas dos letreiros de lojas decrépitas que iluminavam a cidade média, um homem se movia com o máximo de discrição possível através do fluxo esparso de pessoas apressadas e desatentas, sempre esquivo e preocupado quanto a ser notado. Os olhares distraídos de diferentes seguranças que ladeavam as vitrines à prova de balas atravessavam, por vezes, a multidão, mas nunca encontravam algo que lhes chamasse a atenção para além do normal. No ar abafado e estagnado, predominava um silêncio tenso e recheado por um ruído plano e monótono, como a estática de uma antiga televisão.

Ele dobrou à esquerda para se enfiar num beco, afastando- se do brilho intenso e doloroso dos néons, caminhou pelo espaço estreito e, por fim, chegou a uma porta discreta de madeira, uma relíquia de um tempo outro, sem fechaduras eletrônicas nem conectividade com a rede. Puxou a chave de um bolso no casaco cinzento e desbotado, colocou-a no lugar e girou enquanto olhava ao redor para se assegurar de que ninguém o observava.

Entrou no prédio com rapidez, fechando a entrada atrás de si, e respirou fundo antes de prosseguir quase às cegas pelo corredor mal iluminado. Chegou, enfim, a um pequeno cômodo de paredes cinzentas e desprovido de janelas. A tinta monótona era, por vezes, cortada por grafites e pichações de todos os tipos, que davam alguma vida e personalidade ao ambiente. Sua única mobília era um conjunto de cadeiras metálicas e dobráveis, enferrujadas pela imperiosa passagem do tempo. Estas se dispunham em um círculo irregular no qual se sentava um grupo de jovens dos mais diversos fenótipos e vestuários, mas todos dotados de algo em comum: a origem. Nenhum deles se incluía no grupo dos ricos e poderosos, tampouco dos miseráveis e absolutos marginais. Por um ângulo simplista, seriam o equivalente a uma classe média daquela sociedade: os filhos daqueles (cada vez mais raros) que ainda não haviam sido substituídos por máquinas e exerciam funções específicas para a elite.

― Perdão pelo atraso, pessoal, mas tinha operação no nível zero e quase não consegui deixar a outra turma sem ser visto― disse o recém-chegado, retirando o paletó e sentando- se em um dos assentos vagos. Passou o antebraço na testa, limpando o suor, e sorriu para os outros com a face deformada por uma queimadura que cobria a metade esquerda inferior de seu rosto por completo. A pele se esticou por um breve instante, deixando visível a cavidade ocular vazia sob a lente suja dos óculos.― Mas e aí? O que estamos discutindo hoje?

― Os meios de propaganda, principalmente, professor― murmurou uma garota com implantes oculares ultrapassados, que rangiam com movimentos bruscos.― E como, ao que parece, todo mundo, do mais mísero mendigo ao multimilionário dono de dezenas de colônias de exploração, está convencido de que a Lua, Marte e oito asteroides não são o bastante pra manter a economia de hoje funcionando. Com cada vídeo, cada frase de efeito, cada jingle cativante, eles incentivam essa mentalidade colonial de exploração e expansão, de escravidão e criação constante de máquinas para aumentar a eficiência do sistema.

― Claro. Toda nossa sociedade é construída e mantida assim, do contrário já teria colapsado há séculos. Somos tão bombardeados com narrativas, desinformação controlada e ideologias que mal somos capazes de filtrar de verdade o que está acontecendo. E tudo isso para se conformar, aceitar e defender um plano de manutenção do poder e da ordem das coisas pelas mesmas elites que nos esmagam no dia a dia.

― E não é por acaso que toda escola de hoje seja exclusivista e organizada de acordo com o interesse da empresa que a mantém― resmungou outra menina, com uma rede de cabos metálicos implantados por toda a cabeça raspada e conectada a um pequeno aparelho de realidade aumentada.― Qualquer experiência de autonomia e de fomentação de pensamento crítico é ameaçadora, o velho fantasma da “doutrinação”. Estar aqui já nos torna um bando de criminosos. E enquanto isso, o povo…

― Basicamente massa de manobra― comentou um garoto com um cigarro eletrônico na boca e uma jaqueta de plástico em tom de amarelo fluorescente.― Sempre à espera do mais novo lançamento tecnológico, da mais nova intriga corporativa, do mais novo espetáculo midiático pra acalmar nossas necessidades e desviar nossa atenção. E o tempo todo estamos subjugados diante dessas influências muito maiores, desses projetos seculares das mesmas pessoas que estão no comando a mais tempo do que conseguimos lembrar, que nos atravessam como uma chuva de neutrinos.

― Por isso, sempre tenham cuidado com ideias que não são suas. Em geral, elas vêm pré-fabricadas e cobertas de interesses, muitas vezes atreladas a esses mesmos projetos centenários de manutenção de poder e de legitimação da autoridade. Se você não for capaz de distinguir o que é um desejo ou uma opinião própria do que é uma manipulação cuidadosa da vontade e da ignorância popular, você é incapaz de pensar de maneira crítica― murmurou com uma expressão de seriedade.― E esse é o único propósito da educação, o único motivo pelo qual a gente arrisca nosso pescoço: pra te dar a chance de olhar o mundo que criamos e perceber o que está acontecendo. E, quem sabe, mudar. Da mesma forma que estimulo seu pensamento, busco fazer o mesmo com adolescentes do nível zero que têm que conviver com a violência das polícias corporativas o tempo todo e caçar comida nas sobras do nosso lixo para conseguirem viver. A gente engole merda demais no dia…

― Parados!― ecoou o grito potente pela saleta e pelo corredor, seguido de passos rápidos e cliques metálicos de armas sendo destravadas. Uma dezena de policiais privados, vestidos com uniformes pretos, decorados por dúzias de logotipos de empresas e cobertos por capacetes de viseiras escuras, invadiu o ambiente com fuzis nas mãos. As miras laser dançavam em excitação pelos corpos surpreendidos.― Não se movam! Todos estão presos em flagrante por instigação à insurreição, propagação de ideologias criminosas e formação de quadrilha, além de criação e manutenção de grupo educacional não regulado. Sua prisão é um oferecimento de…

― Vão com calma, por favor, eles são apenas…― interveio o professor, colocando-se de pé aos poucos, com as mãos para o alto em uma vã tentativa de negociação com um sistema que prezava a eficiência ante qualquer forma de empatia ou humanidade. Antes que pudesse sequer terminar a frase, os gatilhos foram apertados por todos os membros da unidade e seu corpo foi alvejado. Despencou no chão como uma massa vermelha e repulsiva, despejando uma mistura de sangue e entranhas despedaçadas pelo piso imundo. De seu rosto inerte e chocado, caíram os óculos antiquados aos pés daquele que lhes dera voz de prisão. Sem hesitar, ergueu ainda o coturno militar, deformou a armação e esmagou as lentes até que estourassem em pequenos cacos de vidro, uma nuvem pulverizada de pixels.

― Qualquer ato de resistência pode ser e será respondido com violência― completou perante as faces pálidas, atônitas e desesperançosas dos jovens.

A competição entre ideias nunca foi justa.

Prólogo

Epílogo

Conto

Sob as luzes exageradas dos letreiros de lojas decrépitas que iluminavam a cidade média, um homem se movia com o máximo de discrição possível através do fluxo esparso de pessoas apressadas e desatentas, sempre esquivo e preocupado quanto a ser notado. Os olhares distraídos de diferentes seguranças que ladeavam as vitrines à prova de balas atravessavam, por vezes, a multidão, mas nunca encontravam algo que lhes chamasse a atenção para além do normal. No ar abafado e estagnado, predominava um silêncio tenso e recheado por um ruído plano e monótono, como a estática de uma antiga televisão.

Ele dobrou à esquerda para se enfiar num beco, afastando- se do brilho intenso e doloroso dos néons, caminhou pelo espaço estreito e, por fim, chegou a uma porta discreta de madeira, uma relíquia de um tempo outro, sem fechaduras eletrônicas nem conectividade com a rede. Puxou a chave de um bolso no casaco cinzento e desbotado, colocou-a no lugar e girou enquanto olhava ao redor para se assegurar de que ninguém o observava.

Entrou no prédio com rapidez, fechando a entrada atrás de si, e respirou fundo antes de prosseguir quase às cegas pelo corredor mal iluminado. Chegou, enfim, a um pequeno cômodo de paredes cinzentas e desprovido de janelas. A tinta monótona era, por vezes, cortada por grafites e pichações de todos os tipos, que davam alguma vida e personalidade ao ambiente. Sua única mobília era um conjunto de cadeiras metálicas e dobráveis, enferrujadas pela imperiosa passagem do tempo. Estas se dispunham em um círculo irregular no qual se sentava um grupo de jovens dos mais diversos fenótipos e vestuários, mas todos dotados de algo em comum: a origem. Nenhum deles se incluía no grupo dos ricos e poderosos, tampouco dos miseráveis e absolutos marginais. Por um ângulo simplista, seriam o equivalente a uma classe média daquela sociedade: os filhos daqueles (cada vez mais raros) que ainda não haviam sido substituídos por máquinas e exerciam funções específicas para a elite.

― Perdão pelo atraso, pessoal, mas tinha operação no nível zero e quase não consegui deixar a outra turma sem ser visto― disse o recém-chegado, retirando o paletó e sentando- se em um dos assentos vagos. Passou o antebraço na testa, limpando o suor, e sorriu para os outros com a face deformada por uma queimadura que cobria a metade esquerda inferior de seu rosto por completo. A pele se esticou por um breve instante, deixando visível a cavidade ocular vazia sob a lente suja dos óculos.― Mas e aí? O que estamos discutindo hoje?

― Os meios de propaganda, principalmente, professor― murmurou uma garota com implantes oculares ultrapassados, que rangiam com movimentos bruscos.― E como, ao que parece, todo mundo, do mais mísero mendigo ao multimilionário dono de dezenas de colônias de exploração, está convencido de que a Lua, Marte e oito asteroides não são o bastante pra manter a economia de hoje funcionando. Com cada vídeo, cada frase de efeito, cada jingle cativante, eles incentivam essa mentalidade colonial de exploração e expansão, de escravidão e criação constante de máquinas para aumentar a eficiência do sistema.

― Claro. Toda nossa sociedade é construída e mantida assim, do contrário já teria colapsado há séculos. Somos tão bombardeados com narrativas, desinformação controlada e ideologias que mal somos capazes de filtrar de verdade o que está acontecendo. E tudo isso para se conformar, aceitar e defender um plano de manutenção do poder e da ordem das coisas pelas mesmas elites que nos esmagam no dia a dia.

― E não é por acaso que toda escola de hoje seja exclusivista e organizada de acordo com o interesse da empresa que a mantém― resmungou outra menina, com uma rede de cabos metálicos implantados por toda a cabeça raspada e conectada a um pequeno aparelho de realidade aumentada.― Qualquer experiência de autonomia e de fomentação de pensamento crítico é ameaçadora, o velho fantasma da “doutrinação”. Estar aqui já nos torna um bando de criminosos. E enquanto isso, o povo…

― Basicamente massa de manobra― comentou um garoto com um cigarro eletrônico na boca e uma jaqueta de plástico em tom de amarelo fluorescente.― Sempre à espera do mais novo lançamento tecnológico, da mais nova intriga corporativa, do mais novo espetáculo midiático pra acalmar nossas necessidades e desviar nossa atenção. E o tempo todo estamos subjugados diante dessas influências muito maiores, desses projetos seculares das mesmas pessoas que estão no comando a mais tempo do que conseguimos lembrar, que nos atravessam como uma chuva de neutrinos.

― Por isso, sempre tenham cuidado com ideias que não são suas. Em geral, elas vêm pré-fabricadas e cobertas de interesses, muitas vezes atreladas a esses mesmos projetos centenários de manutenção de poder e de legitimação da autoridade. Se você não for capaz de distinguir o que é um desejo ou uma opinião própria do que é uma manipulação cuidadosa da vontade e da ignorância popular, você é incapaz de pensar de maneira crítica― murmurou com uma expressão de seriedade.― E esse é o único propósito da educação, o único motivo pelo qual a gente arrisca nosso pescoço: pra te dar a chance de olhar o mundo que criamos e perceber o que está acontecendo. E, quem sabe, mudar. Da mesma forma que estimulo seu pensamento, busco fazer o mesmo com adolescentes do nível zero que têm que conviver com a violência das polícias corporativas o tempo todo e caçar comida nas sobras do nosso lixo para conseguirem viver. A gente engole merda demais no dia…

― Parados!― ecoou o grito potente pela saleta e pelo corredor, seguido de passos rápidos e cliques metálicos de armas sendo destravadas. Uma dezena de policiais privados, vestidos com uniformes pretos, decorados por dúzias de logotipos de empresas e cobertos por capacetes de viseiras escuras, invadiu o ambiente com fuzis nas mãos. As miras laser dançavam em excitação pelos corpos surpreendidos.― Não se movam! Todos estão presos em flagrante por instigação à insurreição, propagação de ideologias criminosas e formação de quadrilha, além de criação e manutenção de grupo educacional não regulado. Sua prisão é um oferecimento de…

― Vão com calma, por favor, eles são apenas…― interveio o professor, colocando-se de pé aos poucos, com as mãos para o alto em uma vã tentativa de negociação com um sistema que prezava a eficiência ante qualquer forma de empatia ou humanidade. Antes que pudesse sequer terminar a frase, os gatilhos foram apertados por todos os membros da unidade e seu corpo foi alvejado. Despencou no chão como uma massa vermelha e repulsiva, despejando uma mistura de sangue e entranhas despedaçadas pelo piso imundo. De seu rosto inerte e chocado, caíram os óculos antiquados aos pés daquele que lhes dera voz de prisão. Sem hesitar, ergueu ainda o coturno militar, deformou a armação e esmagou as lentes até que estourassem em pequenos cacos de vidro, uma nuvem pulverizada de pixels.

― Qualquer ato de resistência pode ser e será respondido com violência― completou perante as faces pálidas, atônitas e desesperançosas dos jovens.

A competição entre ideias nunca foi justa.

Para continuar lendo
Clube do Livro

Quer ler esse conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura
Ambiente de Leitura
Voltar ao topo

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora