Sobre

Melhor retratação da proposta no edital da Bilbbo: O Assassino do Anelar

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Amargo Adriano
leia →
Conquistas
Modus Operandi
Amargo Adriano
Conto

Amargo Adriano

Adriano encontrou o assassino do anelar e precisa da ajuda de seus parceiros Saraiva e Pereira.

Vinicius Peron
14
publicações
publicação
Áudio drama
Amargo Adriano
0:00
0:00
Estamos preparando e revisando este conto, em breve o publicaremos aqui. :D

           Encontreio assassino do anelar. Me encontrem na casa abandonada da Dona Nina. Às 19:00horas.

                                                                                              Adriano.

           Esta era a mensagem que Pereira acabava de receber emseu smartphone. O investigador engoliu a seco e notou que ainda faltavamalgumas horas para o encontro. Preparou-se.

           Às 18:49 encostou seu carro nafrente da casa abandonada. Era o único carro da rua. Não muito depois, o carrode Saraiva também se aproximou. Ambos saíram de seus carros.

           - Você também recebeu a mensagem?

           - Sim. Finalmente encerraremos ocaso.

           - Cansou de trabalhar, Bete? –Brincou Pereira.

           - Eu não, mas acho que você sim. Seuúltimo caso, não é? E não se esqueça é Saraiva para você.

           - Desculpe. – Ele riu. – Após isso,passarei eternas férias pescando e enchendo a cara em um bar após isso. Fareijus ao fim de todos os brasileiros aposentados deste país.

           Gargalharam.

           Dez minutos voaram e nem sinal deAdriano por ali. Estranharam, pois o delegado nunca esteve atrasado em toda suavida. O instinto investigativo de cada um deles então se sobressaltou.

           Decidiram averiguar se já haviaalguém dentro da casa. O portão estranhamente estava destrancado. Foramentrando e notaram que a porta da frente estava entreaberta. Rumaram para lá oquanto antes.

           Ao entrar se depararam com os móveisantigos do lugar e todos cobertos por teias de aranha. Os batentes das portas ejanelas estavam sendo comidos por cupins e o chão de madeira rangia a cadapasso deles.

           Na cozinha, o corpo de Adrianoestava adormecido sentado com a cara em cima da mesa. Era possível notarmanchas de sangue em sua roupa e alguns biscoitos mordidos ao lado de sua boca.No chão, dezenas de letras recortadas de jornais e revistas.

           Havia um bilhete no chão, mas estavaincompleto.

           Meu Amargo A

           Saraiva pegou o bilhete em mãos,enquanto que Pereira foi verificar o corpo de Adriano.

           - Está sem pulso.

           - “Meu Amargo A”? – Leu em voz alta.– O que isso significa? Que estranho. Este bilhete está incompleto, talvez oassassino ainda esteja por aqui!

           - Vou olhar os fundos! – GritouPereira, sacando sua arma e sua lanterna.

           - Olharei dentro da casa então! –Saraiva fez a mesma coisa. Ligou a lanterna e posicionou sua outra mão com aarma empunhada.

           A casa era um sobrado com cômodos nopiso superior. Com bastante atenção Saraiva foi subindo degrau a degrau eiluminando o caminho. O único barulho eram o de seus passos pela escadaria.

           A porta de uns dos quartos estavaentreaberta. Ela rapidamente se direcionou para este quarto e com um tapa naporta, ela se abriu por completa. O quarto estava escuro e havia palavrasrecortadas de anúncios formando um bilhete.

           Saraiva se aproximou.

           Pereiraé o culpado.

           Ela começou a tremer. Soltou o bilhete que caiuvagarosamente no chão. Começou a suar frio. Suas mãos firmes, estavam agoratrêmulas pelo choque de realidade. Engoliu a seco e deu meia volta.

           Quando desceu as escadas, percebeuque Pereira estava investigando o corpo de Adriano.

           Ela agiu com rapidez e surgiu nacozinha com sua arma apontada na direção de Pereira. O investigador foi pego desurpresa pelo ato da companheira.

           - Saraiva? – Assustou-se o homem. –Porque está fazendo isso?

           - Não se faça de sonso, Pereira. Eusei quem você é de verdade. – Respondeu séria.

           - Abaixe a arma, Saraiva! – Gritou.– Eu não sei do que você está falando.

           - Fique parado!

           - Eu não sei do que você estáfalando, Saraiva! – O homem continuava a se mexer.

           - Eu vou atirar, Pereira!

           - Eu sou inocente, Saraiva! Você é aassassina!

           Dois disparos então aconteceramsimultaneamente. Pereira caiu de bruços no chão da cozinha, foi atingidomortalmente na cabeça. Ele deixou cair um bilhete que também continha umrecado.

           Saraivaé a culpada.

Já Saraiva caiu para trás, o projétil haviaacertado seu peito, ela respirava com dificuldades.

           Não tinha como se locomover e muitomenos se mexer para pegar seu celular. Ficava agonizando até a morte lheacolher.

           Foi quando um vulto surgiu aos olhosde Saraiva. Sua visão turva pelo ferimento lhe indicava que um homem levantavada cadeira. A figura foi se aproximando de Saraiva que tentou pronunciaralgumas palavras.

           - Adri...

           - Adriano? Sim, sou eu. – Respondeuo delegado. – Eu sou o Assassino do Anelar.

           - Mas v-você... não estava m-morto?– Soltou Saraiva, após cuspir um pouco de sangue.

           - Os biscoitos de Dona Nina sãoperfeitos para simular uma morte. – Ele então pegou a arma de Saraiva queestava jogada ao chão. Conferiu se havia munição e apontou a arma para amulher.

           Encarou-a por mais algum tempo.Ficou pensativo e deixou a arma escorregar pelos seus dedos e cair ao chão.

           - Você não entenderia a minhahistória, Saraiva. – Ele disse, em meio a lágrimas. – Mas, gostaria que um diavocê entendesse o que de fato aconteceu e o que a Dona Nina foi para mim.Aquelas mulheres são inocentes. Saiba disso. – Se virou e caminhou até o corpodo investigador. – Se você sobreviver, me procure.

           Ele pegou o smartphone de Pereira,deslizou a mão pela senha e digitou o número de emergência.

           - Alô. Houve um tiroteio na AvenidaBarão de Jaguara. – Ele disse em tom sério. – Um morto e um gravemente ferido.Venha com urgência. – Desligou o celular e o jogou em cima do corpo doinvestigador.

           Antes que pudesse sair pela portados fundos. Pegou o bilhete incompleto que estava no chão e terminou a frasecom sua própria letra de mão e o colocou caprichosamente em cima da mesa:

           Meu Amargo Adriano.

           

           

           

Próximos contos

Próximos capítulos

Sobre

Os personagens com raciocínio apurado, mas que não fogem de uma boa luta.

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Ligação Anônima
leia →
Conquistas
Faca na caveira
Sobre

Eis a grande questão: Como podem existir histórias com finais tão dramáticos?

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Elisabete
leia →
Conquistas
Ser ou não ser
Sobre

Por explodir as nossas cabeças com o melhor plot twist.

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Sujeito oculto
leia →
Conquistas
De explodir cabeças
Sobre

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Notas de café
leia →
Conquistas
Sobre

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

O Homem bom
leia →
Conquistas
Sobre

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

A Caixa
leia →
Conquistas
Sobre

O protagonista fora do convencional ou "normativo". Toda representatividade é bem-vinda.

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Pacífico e o transporte
leia →
Conquistas
Sou Protagonista
Sobre

O melhor casal / relacionamento entre os personagens da trama.

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Realidade de Teseu
leia →
Conquistas
Romeu e Julieta
Sobre

Conheça todas as Conquistas oficias Bilbbo.

Meu nome é Kaur
leia →
Conquistas
Ambiente de leitura
Light
Grey
Sepia
Dark
-T
Tamanho de Fonte
+T