Amargo Adriano

Suspense
Outubro de 2020
Começou, agora termina queride!

Vinicius Peron

Autor
Quem descreve a si mesmo se limita.

Modus Operandi

Conquista Literária
Conto publicado em
No Rastro das Migalhas

Sinopse

Estamos preparando e revisando este conto, em breve o publicaremos aqui. :D

Adriano encontrou o assassino do anelar e precisa da ajuda de seus parceiros Saraiva e Pereira.

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
Amargo Adriano
Ícone de replay
0:00
0:00
Ícone de replay

           Encontreio assassino do anelar. Me encontrem na casa abandonada da Dona Nina. Às 19:00horas.

                                                                                              Adriano.

           Esta era a mensagem que Pereira acabava de receber emseu smartphone. O investigador engoliu a seco e notou que ainda faltavamalgumas horas para o encontro. Preparou-se.

           Às 18:49 encostou seu carro nafrente da casa abandonada. Era o único carro da rua. Não muito depois, o carrode Saraiva também se aproximou. Ambos saíram de seus carros.

           - Você também recebeu a mensagem?

           - Sim. Finalmente encerraremos ocaso.

           - Cansou de trabalhar, Bete? –Brincou Pereira.

           - Eu não, mas acho que você sim. Seuúltimo caso, não é? E não se esqueça é Saraiva para você.

           - Desculpe. – Ele riu. – Após isso,passarei eternas férias pescando e enchendo a cara em um bar após isso. Fareijus ao fim de todos os brasileiros aposentados deste país.

           Gargalharam.

           Dez minutos voaram e nem sinal deAdriano por ali. Estranharam, pois o delegado nunca esteve atrasado em toda suavida. O instinto investigativo de cada um deles então se sobressaltou.

           Decidiram averiguar se já haviaalguém dentro da casa. O portão estranhamente estava destrancado. Foramentrando e notaram que a porta da frente estava entreaberta. Rumaram para lá oquanto antes.

           Ao entrar se depararam com os móveisantigos do lugar e todos cobertos por teias de aranha. Os batentes das portas ejanelas estavam sendo comidos por cupins e o chão de madeira rangia a cadapasso deles.

           Na cozinha, o corpo de Adrianoestava adormecido sentado com a cara em cima da mesa. Era possível notarmanchas de sangue em sua roupa e alguns biscoitos mordidos ao lado de sua boca.No chão, dezenas de letras recortadas de jornais e revistas.

           Havia um bilhete no chão, mas estavaincompleto.

           Meu Amargo A

           Saraiva pegou o bilhete em mãos,enquanto que Pereira foi verificar o corpo de Adriano.

           - Está sem pulso.

           - “Meu Amargo A”? – Leu em voz alta.– O que isso significa? Que estranho. Este bilhete está incompleto, talvez oassassino ainda esteja por aqui!

           - Vou olhar os fundos! – GritouPereira, sacando sua arma e sua lanterna.

           - Olharei dentro da casa então! –Saraiva fez a mesma coisa. Ligou a lanterna e posicionou sua outra mão com aarma empunhada.

           A casa era um sobrado com cômodos nopiso superior. Com bastante atenção Saraiva foi subindo degrau a degrau eiluminando o caminho. O único barulho eram o de seus passos pela escadaria.

           A porta de uns dos quartos estavaentreaberta. Ela rapidamente se direcionou para este quarto e com um tapa naporta, ela se abriu por completa. O quarto estava escuro e havia palavrasrecortadas de anúncios formando um bilhete.

           Saraiva se aproximou.

           Pereiraé o culpado.

           Ela começou a tremer. Soltou o bilhete que caiuvagarosamente no chão. Começou a suar frio. Suas mãos firmes, estavam agoratrêmulas pelo choque de realidade. Engoliu a seco e deu meia volta.

           Quando desceu as escadas, percebeuque Pereira estava investigando o corpo de Adriano.

           Ela agiu com rapidez e surgiu nacozinha com sua arma apontada na direção de Pereira. O investigador foi pego desurpresa pelo ato da companheira.

           - Saraiva? – Assustou-se o homem. –Porque está fazendo isso?

           - Não se faça de sonso, Pereira. Eusei quem você é de verdade. – Respondeu séria.

           - Abaixe a arma, Saraiva! – Gritou.– Eu não sei do que você está falando.

           - Fique parado!

           - Eu não sei do que você estáfalando, Saraiva! – O homem continuava a se mexer.

           - Eu vou atirar, Pereira!

           - Eu sou inocente, Saraiva! Você é aassassina!

           Dois disparos então aconteceramsimultaneamente. Pereira caiu de bruços no chão da cozinha, foi atingidomortalmente na cabeça. Ele deixou cair um bilhete que também continha umrecado.

           Saraivaé a culpada.

Já Saraiva caiu para trás, o projétil haviaacertado seu peito, ela respirava com dificuldades.

           Não tinha como se locomover e muitomenos se mexer para pegar seu celular. Ficava agonizando até a morte lheacolher.

           Foi quando um vulto surgiu aos olhosde Saraiva. Sua visão turva pelo ferimento lhe indicava que um homem levantavada cadeira. A figura foi se aproximando de Saraiva que tentou pronunciaralgumas palavras.

           - Adri...

           - Adriano? Sim, sou eu. – Respondeuo delegado. – Eu sou o Assassino do Anelar.

           - Mas v-você... não estava m-morto?– Soltou Saraiva, após cuspir um pouco de sangue.

           - Os biscoitos de Dona Nina sãoperfeitos para simular uma morte. – Ele então pegou a arma de Saraiva queestava jogada ao chão. Conferiu se havia munição e apontou a arma para amulher.

           Encarou-a por mais algum tempo.Ficou pensativo e deixou a arma escorregar pelos seus dedos e cair ao chão.

           - Você não entenderia a minhahistória, Saraiva. – Ele disse, em meio a lágrimas. – Mas, gostaria que um diavocê entendesse o que de fato aconteceu e o que a Dona Nina foi para mim.Aquelas mulheres são inocentes. Saiba disso. – Se virou e caminhou até o corpodo investigador. – Se você sobreviver, me procure.

           Ele pegou o smartphone de Pereira,deslizou a mão pela senha e digitou o número de emergência.

           - Alô. Houve um tiroteio na AvenidaBarão de Jaguara. – Ele disse em tom sério. – Um morto e um gravemente ferido.Venha com urgência. – Desligou o celular e o jogou em cima do corpo doinvestigador.

           Antes que pudesse sair pela portados fundos. Pegou o bilhete incompleto que estava no chão e terminou a frasecom sua própria letra de mão e o colocou caprichosamente em cima da mesa:

           Meu Amargo Adriano.

           

           

           

Sinopse

Estamos preparando e revisando este conto, em breve o publicaremos aqui. :D

Adriano encontrou o assassino do anelar e precisa da ajuda de seus parceiros Saraiva e Pereira.

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
Amargo Adriano
Ícone de replay
0:00
0:00
Ícone de replay

           Encontreio assassino do anelar. Me encontrem na casa abandonada da Dona Nina. Às 19:00horas.

                                                                                              Adriano.

           Esta era a mensagem que Pereira acabava de receber emseu smartphone. O investigador engoliu a seco e notou que ainda faltavamalgumas horas para o encontro. Preparou-se.

           Às 18:49 encostou seu carro nafrente da casa abandonada. Era o único carro da rua. Não muito depois, o carrode Saraiva também se aproximou. Ambos saíram de seus carros.

           - Você também recebeu a mensagem?

           - Sim. Finalmente encerraremos ocaso.

           - Cansou de trabalhar, Bete? –Brincou Pereira.

           - Eu não, mas acho que você sim. Seuúltimo caso, não é? E não se esqueça é Saraiva para você.

           - Desculpe. – Ele riu. – Após isso,passarei eternas férias pescando e enchendo a cara em um bar após isso. Fareijus ao fim de todos os brasileiros aposentados deste país.

           Gargalharam.

           Dez minutos voaram e nem sinal deAdriano por ali. Estranharam, pois o delegado nunca esteve atrasado em toda suavida. O instinto investigativo de cada um deles então se sobressaltou.

           Decidiram averiguar se já haviaalguém dentro da casa. O portão estranhamente estava destrancado. Foramentrando e notaram que a porta da frente estava entreaberta. Rumaram para lá oquanto antes.

           Ao entrar se depararam com os móveisantigos do lugar e todos cobertos por teias de aranha. Os batentes das portas ejanelas estavam sendo comidos por cupins e o chão de madeira rangia a cadapasso deles.

           Na cozinha, o corpo de Adrianoestava adormecido sentado com a cara em cima da mesa. Era possível notarmanchas de sangue em sua roupa e alguns biscoitos mordidos ao lado de sua boca.No chão, dezenas de letras recortadas de jornais e revistas.

           Havia um bilhete no chão, mas estavaincompleto.

           Meu Amargo A

           Saraiva pegou o bilhete em mãos,enquanto que Pereira foi verificar o corpo de Adriano.

           - Está sem pulso.

           - “Meu Amargo A”? – Leu em voz alta.– O que isso significa? Que estranho. Este bilhete está incompleto, talvez oassassino ainda esteja por aqui!

           - Vou olhar os fundos! – GritouPereira, sacando sua arma e sua lanterna.

           - Olharei dentro da casa então! –Saraiva fez a mesma coisa. Ligou a lanterna e posicionou sua outra mão com aarma empunhada.

           A casa era um sobrado com cômodos nopiso superior. Com bastante atenção Saraiva foi subindo degrau a degrau eiluminando o caminho. O único barulho eram o de seus passos pela escadaria.

           A porta de uns dos quartos estavaentreaberta. Ela rapidamente se direcionou para este quarto e com um tapa naporta, ela se abriu por completa. O quarto estava escuro e havia palavrasrecortadas de anúncios formando um bilhete.

           Saraiva se aproximou.

           Pereiraé o culpado.

           Ela começou a tremer. Soltou o bilhete que caiuvagarosamente no chão. Começou a suar frio. Suas mãos firmes, estavam agoratrêmulas pelo choque de realidade. Engoliu a seco e deu meia volta.

           Quando desceu as escadas, percebeuque Pereira estava investigando o corpo de Adriano.

           Ela agiu com rapidez e surgiu nacozinha com sua arma apontada na direção de Pereira. O investigador foi pego desurpresa pelo ato da companheira.

           - Saraiva? – Assustou-se o homem. –Porque está fazendo isso?

           - Não se faça de sonso, Pereira. Eusei quem você é de verdade. – Respondeu séria.

           - Abaixe a arma, Saraiva! – Gritou.– Eu não sei do que você está falando.

           - Fique parado!

           - Eu não sei do que você estáfalando, Saraiva! – O homem continuava a se mexer.

           - Eu vou atirar, Pereira!

           - Eu sou inocente, Saraiva! Você é aassassina!

           Dois disparos então aconteceramsimultaneamente. Pereira caiu de bruços no chão da cozinha, foi atingidomortalmente na cabeça. Ele deixou cair um bilhete que também continha umrecado.

           Saraivaé a culpada.

Já Saraiva caiu para trás, o projétil haviaacertado seu peito, ela respirava com dificuldades.

           Não tinha como se locomover e muitomenos se mexer para pegar seu celular. Ficava agonizando até a morte lheacolher.

           Foi quando um vulto surgiu aos olhosde Saraiva. Sua visão turva pelo ferimento lhe indicava que um homem levantavada cadeira. A figura foi se aproximando de Saraiva que tentou pronunciaralgumas palavras.

           - Adri...

           - Adriano? Sim, sou eu. – Respondeuo delegado. – Eu sou o Assassino do Anelar.

           - Mas v-você... não estava m-morto?– Soltou Saraiva, após cuspir um pouco de sangue.

           - Os biscoitos de Dona Nina sãoperfeitos para simular uma morte. – Ele então pegou a arma de Saraiva queestava jogada ao chão. Conferiu se havia munição e apontou a arma para amulher.

           Encarou-a por mais algum tempo.Ficou pensativo e deixou a arma escorregar pelos seus dedos e cair ao chão.

           - Você não entenderia a minhahistória, Saraiva. – Ele disse, em meio a lágrimas. – Mas, gostaria que um diavocê entendesse o que de fato aconteceu e o que a Dona Nina foi para mim.Aquelas mulheres são inocentes. Saiba disso. – Se virou e caminhou até o corpodo investigador. – Se você sobreviver, me procure.

           Ele pegou o smartphone de Pereira,deslizou a mão pela senha e digitou o número de emergência.

           - Alô. Houve um tiroteio na AvenidaBarão de Jaguara. – Ele disse em tom sério. – Um morto e um gravemente ferido.Venha com urgência. – Desligou o celular e o jogou em cima do corpo doinvestigador.

           Antes que pudesse sair pela portados fundos. Pegou o bilhete incompleto que estava no chão e terminou a frasecom sua própria letra de mão e o colocou caprichosamente em cima da mesa:

           Meu Amargo Adriano.

           

           

           

Para continuar lendo
Clube do Livro

Gostaria de ler este conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Entre no clube

Tempo, escolha, mistério e econtros nada foge o fim.

Durante toda vida, duas coisas acontecem constantemente, o tempo e as escolhas que tomamos, e uma semore interfere na outra, mas o final esse não da para escolher nem adiar o tempo.

Entre no clube

O tempo pode estar contra você em muitos sentidos

Ponham suas máscaras que agora em fevereiro é época de carnaval, mas não celebre tão cedo, pois algumas dessas máscaras podem cair e não ser nem um pouco bom pra sua saúde.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora