637J - Vila São José

Crônica
Junho de 2020
Começou, agora termina queride!

Ser ou não ser

Conquista Literária
Conto publicado em
A Vida em Movimento

Sinopse

Estamos preparando e revisando este conto, em breve o publicaremos aqui. :D

Uma enrolação, tudo dando errado, praticamente um dia péssimo. Mas com alguns poucos degraus percebi hábitos que havia esquecido como eram.

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
637J - Vila São José
Ícone de replay
0:00
0:00
Ícone de replay

- É, dona. Vai precisar trocar a rebimboca da parafuseta. O trequinho que segura o negócio junto da coisa ainda tá bom, mas pelo tempo de uso do seu carro, é bom trocar também. Sabe como é, essas coisas quebram na pior hora.

Ele estava me enrolando. Estava na cara. Mulheres e mecânicos são duas espécies antagônicas que acabaram por encontrar um delicado equilíbrio no ecossistema da selva de pedra: eles fingem que respeitam a gente, a gente finge que confia neles. Fiquei olhando para o motor, fazendo cara de entendida, fingindo que avaliava o estado do tal trequinho, enquanto prometia mentalmente fazer um curso de mecânica básica o quanto antes. Por fim, aceitei o prazo e o orçamento. Uma eternidade e uma fortuna, respectivamente.

E é assim que estou agora no ponto de ônibus da Renato Paes de Barros, esperando pelo 637J-10, Vila São José. Cansadíssima. Hoje, tudo o que poderia dar errado, deu. Tudo o que não poderia dar errado de jeito nenhum, deu também. Servidores fora do ar, internet instável, serviços intermitentes, usuários reclamando e, de alguma forma misteriosa e inexplicável, tudo acabou caindo nas minhas costas. Mas o longo dia, enfim acabou. Agora, é só esperar uma hora pelo ônibus que acabei de perder de acordo com o app, aguentar firme o percurso de mais uma hora de aperto, caminhar 20 minutos e estarei me arrastando pra dentro de casa.

O ônibus chegou. Arranjei um cantinho, em pé do lado da cobradora. Um bom lugar, fora do empurra-empurra do corredor e do lado de uma janela escancarada. Excelente.

- Nena!!!!! Voltou de férias, mulher! Olha só, que cor bonita! – a cobradora fez uma festa à entrada de uma moça corada de sol.

- É, tirei 15 dias. Tava precisando. Fui pra Santos, na casa da minha mãe.

- Aí sim, hein!

- Pois é, Janete! Sol, camarão e cervejinha gelada. “E disseram que eu estava na pior...”. O único problema das férias é que elas acabam.

- Verdade. Bom, por aqui tudo na mesma. Hoje é aniversário da dona Maria.

- É mesmo! Será que vai ter bolo?

- Ela disse que sim. Ô, Lucio, viu a cor da Nena? Tava de férias, a danada.

Lucio era o nome do motorista, pelo jeito. E, pelos próximos três pontos foi assim. Entrava alguém, Janete, a cobradora, gritava uma saudação alegre, seguiam-se comentários, o lembrete do aniversário da dona Maria, a pergunta do bolo. Desta forma, fiquei sabendo que a Nena, a moça corada, tirou férias que tinham sido adiadas por três longos anos. Ela sempre vendia a folga e guardava o dinheiro para poder comprar uma casinha. Pois agora comprou um terreno e foi descansar um pouco, antes de recomeçar a poupar, desta vez para construir. Luzia, que entrou no próximo ponto, junto de Ernesto, chegava sempre 10 minutos atrasada na faculdade de fisioterapia, mas os colegas anotavam tudo e os professores, sabendo que ela vinha direto do trabalho, sempre faziam a chamada no final da aula. Ernesto, por sua vez, estava voltando para casa, para ficar com os filhos enquanto a esposa enfermeira saía para o turno da noite. No próximo ponto, entrou Ludimilla, que não estava voltando para casa como a maioria. Ela estava indo para o trabalho, como cuidadora de um senhor muito idoso que fazia questão de morar sozinho. Já fazia cinco anos que ela trabalhava para ele e havia entre eles um carinho genuíno. Marisa, que estava voltando para casa depois de uma jornada corriqueira e absurda de 12 horas num restaurante árabe, trouxe docinhos para acompanhar o bolo de dona Maria e entrou no ponto seguinte.

No quarto ponto, enfim, entra dona Maria, carregando uma grande sacola. Uns quarenta anos, mãos firmes de trabalhadora e sorriso tímido, ficou comovida enquanto o ônibus inteiro cantava parabéns. Ernesto levantou-se e cedeu o lugar para a aniversariante, que abriu a sacola e tirou um grande pote plástico com um bolo confeitado, pratinhos de papel, garfinhos de madeira. Não é que teve mesmo bolo? Só estava difícil fazer chegar um pedaço até Lucio, o motorista. Como eu estava antes da catraca, me ofereci para levar o pratinho até ele. Na volta, ganhei um pedaço grande do bolo com docinhos árabes, um chapéu de aniversário que alguém trouxe de brincadeira e o apelido de “comissária de bordo do busão”.

O trajeto deveria ter durado aproximadamente uma hora. Mas desci do ônibus com a sensação de ter voltado uns dez anos no tempo. O cansaço e a tensão do dia difícil haviam passado e cedido lugar a uma estranha nostalgia. Talvez o conforto do carro tenha um custo além do combustível e do IPVA, afinal: o isolamento. Fechada na minha cápsula particular, ouvindo minha playlist e mergulhada no ar condicionado, desfruto de conforto, mas perco Nenas, Luzias e Ernestos. Perco histórias diferentes da minha e, ao mesmo tempo, tão parecidas. Perco o lembrete de que ninguém está só.

Cheguei em casa ainda usando um chapéu cônico de balões coloridos na cabeça, com um prato de papel nas mãos, a boca cheia de bolo caseiro com recheio de doce de leite e ameixa e a sensação de ter reencontrado uma grande verdade da vida.

Sinopse

Estamos preparando e revisando este conto, em breve o publicaremos aqui. :D

Uma enrolação, tudo dando errado, praticamente um dia péssimo. Mas com alguns poucos degraus percebi hábitos que havia esquecido como eram.

Prólogo

Epílogo

Conto

Áudio drama
637J - Vila São José
Ícone de replay
0:00
0:00
Ícone de replay

- É, dona. Vai precisar trocar a rebimboca da parafuseta. O trequinho que segura o negócio junto da coisa ainda tá bom, mas pelo tempo de uso do seu carro, é bom trocar também. Sabe como é, essas coisas quebram na pior hora.

Ele estava me enrolando. Estava na cara. Mulheres e mecânicos são duas espécies antagônicas que acabaram por encontrar um delicado equilíbrio no ecossistema da selva de pedra: eles fingem que respeitam a gente, a gente finge que confia neles. Fiquei olhando para o motor, fazendo cara de entendida, fingindo que avaliava o estado do tal trequinho, enquanto prometia mentalmente fazer um curso de mecânica básica o quanto antes. Por fim, aceitei o prazo e o orçamento. Uma eternidade e uma fortuna, respectivamente.

E é assim que estou agora no ponto de ônibus da Renato Paes de Barros, esperando pelo 637J-10, Vila São José. Cansadíssima. Hoje, tudo o que poderia dar errado, deu. Tudo o que não poderia dar errado de jeito nenhum, deu também. Servidores fora do ar, internet instável, serviços intermitentes, usuários reclamando e, de alguma forma misteriosa e inexplicável, tudo acabou caindo nas minhas costas. Mas o longo dia, enfim acabou. Agora, é só esperar uma hora pelo ônibus que acabei de perder de acordo com o app, aguentar firme o percurso de mais uma hora de aperto, caminhar 20 minutos e estarei me arrastando pra dentro de casa.

O ônibus chegou. Arranjei um cantinho, em pé do lado da cobradora. Um bom lugar, fora do empurra-empurra do corredor e do lado de uma janela escancarada. Excelente.

- Nena!!!!! Voltou de férias, mulher! Olha só, que cor bonita! – a cobradora fez uma festa à entrada de uma moça corada de sol.

- É, tirei 15 dias. Tava precisando. Fui pra Santos, na casa da minha mãe.

- Aí sim, hein!

- Pois é, Janete! Sol, camarão e cervejinha gelada. “E disseram que eu estava na pior...”. O único problema das férias é que elas acabam.

- Verdade. Bom, por aqui tudo na mesma. Hoje é aniversário da dona Maria.

- É mesmo! Será que vai ter bolo?

- Ela disse que sim. Ô, Lucio, viu a cor da Nena? Tava de férias, a danada.

Lucio era o nome do motorista, pelo jeito. E, pelos próximos três pontos foi assim. Entrava alguém, Janete, a cobradora, gritava uma saudação alegre, seguiam-se comentários, o lembrete do aniversário da dona Maria, a pergunta do bolo. Desta forma, fiquei sabendo que a Nena, a moça corada, tirou férias que tinham sido adiadas por três longos anos. Ela sempre vendia a folga e guardava o dinheiro para poder comprar uma casinha. Pois agora comprou um terreno e foi descansar um pouco, antes de recomeçar a poupar, desta vez para construir. Luzia, que entrou no próximo ponto, junto de Ernesto, chegava sempre 10 minutos atrasada na faculdade de fisioterapia, mas os colegas anotavam tudo e os professores, sabendo que ela vinha direto do trabalho, sempre faziam a chamada no final da aula. Ernesto, por sua vez, estava voltando para casa, para ficar com os filhos enquanto a esposa enfermeira saía para o turno da noite. No próximo ponto, entrou Ludimilla, que não estava voltando para casa como a maioria. Ela estava indo para o trabalho, como cuidadora de um senhor muito idoso que fazia questão de morar sozinho. Já fazia cinco anos que ela trabalhava para ele e havia entre eles um carinho genuíno. Marisa, que estava voltando para casa depois de uma jornada corriqueira e absurda de 12 horas num restaurante árabe, trouxe docinhos para acompanhar o bolo de dona Maria e entrou no ponto seguinte.

No quarto ponto, enfim, entra dona Maria, carregando uma grande sacola. Uns quarenta anos, mãos firmes de trabalhadora e sorriso tímido, ficou comovida enquanto o ônibus inteiro cantava parabéns. Ernesto levantou-se e cedeu o lugar para a aniversariante, que abriu a sacola e tirou um grande pote plástico com um bolo confeitado, pratinhos de papel, garfinhos de madeira. Não é que teve mesmo bolo? Só estava difícil fazer chegar um pedaço até Lucio, o motorista. Como eu estava antes da catraca, me ofereci para levar o pratinho até ele. Na volta, ganhei um pedaço grande do bolo com docinhos árabes, um chapéu de aniversário que alguém trouxe de brincadeira e o apelido de “comissária de bordo do busão”.

O trajeto deveria ter durado aproximadamente uma hora. Mas desci do ônibus com a sensação de ter voltado uns dez anos no tempo. O cansaço e a tensão do dia difícil haviam passado e cedido lugar a uma estranha nostalgia. Talvez o conforto do carro tenha um custo além do combustível e do IPVA, afinal: o isolamento. Fechada na minha cápsula particular, ouvindo minha playlist e mergulhada no ar condicionado, desfruto de conforto, mas perco Nenas, Luzias e Ernestos. Perco histórias diferentes da minha e, ao mesmo tempo, tão parecidas. Perco o lembrete de que ninguém está só.

Cheguei em casa ainda usando um chapéu cônico de balões coloridos na cabeça, com um prato de papel nas mãos, a boca cheia de bolo caseiro com recheio de doce de leite e ameixa e a sensação de ter reencontrado uma grande verdade da vida.

Para continuar lendo
Clube do Livro

Gostaria de ler este conto?

Vem fazer parte do Planeta Roxo, nosso clube do livro de terror e ficção científica. Dois contos originais e um clássico todos os meses.

Entre no clube

Tempo, escolha, mistério e econtros nada foge o fim.

Durante toda vida, duas coisas acontecem constantemente, o tempo e as escolhas que tomamos, e uma semore interfere na outra, mas o final esse não da para escolher nem adiar o tempo.

Entre no clube

O tempo pode estar contra você em muitos sentidos

Ponham suas máscaras que agora em fevereiro é época de carnaval, mas não celebre tão cedo, pois algumas dessas máscaras podem cair e não ser nem um pouco bom pra sua saúde.

Ambiente de leitura
Claro
Cinza
Sépia
Escuro
-T
Tamanho de Fonte
+T
Ícone de DownloadÍcone de formato de leitura

O hub de Literatura Nacional mais legal da internet. Explore o desconhecido e descubra o inimaginável.

Logo do Planeta Roxo, clube do livro digital da Bilbbo

Clube do Livro digital da Bilbbo. Todo mês novos envios para le.

Entre no clube
Logo Viralume, frente de conteúdo sobre o mercado literário da Bilbbo.

Frente de conteúdo da Bilbbo sobre Literatura.

Ouça
Logo Mini, publicações curtas da Bilbbo.

Mini Contos da Bilbbo que que de pequenas não possuem nada.

Leia agora