Começou, agora termina queride!

Lidando com a depressão pós leitura

Em tempos de pandemia e distanciamento social, vamos discutir sobre como lidar com os sentimentos após o término de uma jornada literária

Leitura
March 5, 2021

A vida após um livro

Quem aqui nunca sofreu depois de terminar um livro, que atire a primeira pedra. Eu já até abordei esse assunto nesse post aqui, mas nada se compara as palavras sábias de um mago, digo, um especialista!

Por isso eu fui atrás de um psicólogo (coisa que todo mundo deveria ir atrás, convenhamos), pra falar um pouquinho sobre todo esse processo de desapego e sofrência que a gente passa depois de desbravar um novo universo em uma obra, ainda mais em um período e contexto onde temos sentido todas as nossas emoções de forma mais intensas.

O Eduardo da Silva Andrade (CRP 06/157989) é um psicólogo com abordagem na Fenomenologia, que, segundo o nosso queridinho Google, é "uma metodologia ou um modo de pensamento filosófico que retoma a importância dos fenômenos, os quais devem ser estudados em si mesmos – tudo que podemos saber do mundo e de nós próprios resume-se a esses fenômenos, a esses objetos fenomenais que o ser experimenta em sua finitude." Bonito né? Além disso ele está se especializando em luto, o que casa super com esse nosso questionamento sobre "a vida após um livro".

Então pega a pipoca e acompanhe esse bate-bola ao melhor estilo Marília Gabriela que eu tive com o Edu:

Quem nunca terminou um livro de ficção, fantasia e/ou romance e ficou com aquela sensação de "depressão pós leitura"? Mas conta aí Edu, tem um porque da gente ficar com essa sensação de perda assim que termina uma leitura?

R: O Luto é um processo vivido pós rompimentos de vínculos, creio que um bom livro tende a nos vincular ao que ele pretende nos trazer, apesar de ser uma comparação simplista, acho válido lembrarmos do sentimento que temos quando algum personagem que gostamos em um filme, série, novela ou literatura (ou qualquer que seja a arte) morre, sentimos uma tristeza, acredito que o vínculo que formamos com esse personagem tenha sido rompido com a extinção dele.Com uma leitura que gostamos esse sentimento pode ser parecido, afinal, a continuidade do livro depende do autor, se ele decidir por não dar continuidade, não temos ação e de fato nosso vínculo com a história foi rompido.

Conhecemos diversas pessoas que ficam assim depois de ler um livro (o time Bilbbo mesmo, tem uma lista de escritores para cobrar satisfação por términos indesejados de narrativas). Podemos continuar nos considerando normais depois de passar por esse tipo de luto por algo que "não existe"?

R: (Risos) Costumo dizer que o conceito de normalidade é bem abstrato.É possível sim ficar triste com um final indesejado de um filme, uma série, uma novela e um livro, mas creio que essa tristeza não é necessariamente por um luto, afinal o fato da história não ter terminado conforme o nosso desejo, não necessariamente rompeu nosso vínculo com a história, esse sentimento está mais relacionado a frustração do que a quebra de vínculo.Mas sim, sentir tristeza é normal, aliás, todos os sentimentos que temos a partir de uma boa história pode ser positivo, mas isso depende da forma que nos compreendemos afetados por estes sentimentos.

Tem algum jeito da gente não passar por isso? Já adianto que não vale dizer pra não ler ou não se apegar a um personagem!

R: Mas vocês querem de fato não passar por isso ? (Risos)Quando lemos utilizamos nossa imaginação e também criamos expectativas relacionadas a história, aos personagem e até mesmo aos autores, mas não somos nós quem escrevemos a trama, sendo assim, respondo sua pergunta com outra pergunta.Vale a pena deixar de ler por medo de se frustrar ?

Como os leitores podem fazer para passar melhor por todo esse processo?

R: Pergunta muito boa. Aproveitando ao máximo tudo o que a leitura lhe proporciona, se permitindo sentir e compreendendo como lidar com o sentimento.Ler é um movimento que nos leva ao crescimento, mas para crescermos saudáveis precisamos entender como esse afeto nos ajuda ou atrapalha.Mas ler é vida!

Agora pra fechar, indica uma leitura pro pessoal!

R: Só uma 😱😱😱 Isso é maldade, vou indicar algumas. (Risos)

  1. O Mundo de Sofia. por Jostein Gaarder
  2. O dia do Curinga, por Jostein Gaarder
  3. A viagem de Theo, por Catherine Clement
  4. Tornar-se pessoa, por Carl Rogers
  5. Sobre a morte e o morrer, por Elisabeth Kübler-Ross

Ufa! Deu pra tirar algumas dúvidas e ganhar mais algumas, não é mesmo? Mas uma coisa é certa, por mais que a gente sofra, chore ou queira agredir um autor (não recomendo), nada se compara ao prazer que temos ao saborear uma nova aventura, romance, fantasia ou terror.

Se você curtiu e quer tirar mais algumas dúvidas com o Edu, corre lá no Instagram dele: @psicologoedusandrade. E se você quiser conhecer mais do trabalho dele, o Edu atende na Clínica Conexão, em São Paulo, mas também rolam atendimentos on-line!E claro, continuem nos acompanhando aqui para uma série de blog posts sobre leitura 💜

Curtiu? Compartilhe.

Sobre o Viralume

O Viralume é a frente de conteúdo sobre o mercado literário independente da Bilbbo. Aqui você viaja entre dimensões sem precisar de uma arma de portais.